Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Presidente da República recorda padre António Vaz Pinto como "arauto inspirador de causas"

Sacerdote foi "uma das figuras da Igreja Católica mais marcantes dos anos 1970 até ao virar do século", acrescenta Marcelo Rebelo de Sousa.
Lusa 1 de Julho de 2022 às 15:23
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: Reuters
O Presidente da República recordou o padre António Vaz Pinto, que morreu esta sexta-feira, como um "arauto inspirador de causas e missões comunitárias" que tinha o "poder de mobilização dos jovens" e raras qualidades humanas.

Numa nota divulgada na página oficial da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa evoca António Vaz Pinto, um homem "de raras qualidades humanas e vocacionais", com um "poder de mobilização dos jovens" que "dele fez um arauto inspirador de causas e missões comunitária.

O sacerdote foi "uma das figuras da Igreja Católica mais marcantes dos anos 1970 até ao virar do século", acrescenta o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa, "seu amigo e admirador desde sempre, recorda-o com profunda homenagem e saudade e apresenta à sua Família e à Companhia de Jesus as suas sentidas condolências", completa na nota.

O padre António Vaz Pinto, jesuíta e Alto-Comissário para as Migrações e Minorias Étnicas entre os anos 2002 e 2005 morreu hoje, aos 80 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, informou a Companhia de Jesus.

Natural de Arouca, onde nasceu em 02 de junho de 1942, António Vaz Pinto foi responsável pela criação e implementação de várias obras da Companhia de Jesus, entre as quais se destacam os Leigos para o Desenvolvimento (1986), o Centro São Cirilo (2002), no Porto, e o Centro Universitário Padre Manuel da Nóbrega (1975-1984), em Coimbra, e mais tarde o Centro Universitário Padre António Vieira (1984-1997), em Lisboa.

Ver comentários