Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Técnicas cirúrgicas inovadoras de cardiologia chegam ao interior norte

Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro trata os primeiros doentes com técnicas de encerramento percutâneo.
Patrícia Moura Pinto 28 de Abril de 2018 às 10:41
Cirurgia de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Consultas de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Vítimas estavam no Hospital de Vila Real quando incêndio deflagrou
Cirurgia de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Consultas de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Vítimas estavam no Hospital de Vila Real quando incêndio deflagrou
Cirurgia de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Consultas de cardiologia no Hospital de Trás os Montes e Alto Douro
Vítimas estavam no Hospital de Vila Real quando incêndio deflagrou
O serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), em Vila Real, tem disponível, desde terça-feira, as técnicas de encerramento percutâneo do forame oval patente (FOP) e do encerramento percutâneo da comunicação interauricular (CIA). Em Portugal, a segunda principal causa de morte é o enfarte agudo do miocárdio, apenas superado pelos acidentes vasculares cerebrais (AVC).

O FOP é uma condição cardíaca congénita em que um orifício entre as aurículas do coração não encerra ao nascimento. Em determinadas circunstâncias, e com características anatómicas específicas, pode ser uma causa de AVC, particularmente em doentes jovens. Por sua vez, o dispositivo de encerramento de CIA é colocado no coração através da veia femoral, com o auxílio de um sistema de pequenos tubos (cateteres). O dispositivo implantado ficará para sempre no coração, sendo depois totalmente recoberto com tecido normal do coração ao fim de 1 a 3 meses após o procedimento. O encerramento percutâneo da CIA tem uma duração até uma hora, seguido de um curto internamento hospitalar.

A implementação destas duas técnicas na unidade transmontana ocorreu no dia em que o Laboratório de Hemodinâmica do hospital comemorou dez anos. Foram intervencionados dois doentes com patologias distintas: um homem com 42 anos, que já sofreu um AVC, foi submetido ao encerramento do forame oval patente; e Mónica Martins, de 35 anos, que tem um sopro cardíaco, a quem foi aplicado o encerramento da comunicação interauricular.

Hélder Ribeiro, cardiologista do CHTMAD, garante que para o doente que já sofreu um AVC "esta técnica irá fazer com que não precise de tomar mais medicação para evitar um novo AVC", ficando "quase totalmente protegido contra tromboses". A aposta nestas técnicas, minimamente invasivas, pretende evitar a ida dos doentes aos hospitais centrais.

PORMENORES
Mais tratamentos
O serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar de Trás-os- -Montes e Alto Douro representou um custo de 2,3 milhões em 2016 e de 3,1 milhões de euros em 2017. Foram realizados 1222 procedimentos de diagnóstico e 538 de intervenção. A avaliar pelo primeiro trimestre de 2018, espera-se um aumento destes números.

Investimento insuficiente
O investimento no CHTMAD ainda é considerado insuficiente. "Temos edifícios bastante degradados e a precisarem de remodelação. Lutamos muitas vezes para termos um equipamento, mas depois não conseguimos manter o hospital com as condições que desejamos", lamenta João Oliveira, presidente do conselho de administração do CHTMAD.

Sopro cardíaco cria limitações 
Em setembro de 2016, Mónica Martins, natural de Lisboa, foi diagnosticada com um sopro cardíaco. Esta patologia provoca-lhe batimentos cardíacos acelerados, tensão mínima arterial com valores muito elevados e vários outros sintomas que a impedem de ter um quotidiano sem limitações.

"Este problema afeta de forma muito negativa o meu dia a dia. Não posso fazer qualquer tipo de exercício físico, não posso sequer viajar de avião", conta. Na última terça-feira, Mónica aguardava que lhe fosse feita a intervenção do encerramento percutâneo da comunicação interauricular.

"No início, fiquei um pouco assustada com a ideia mas depois percebi o que seria feito e os benefícios que isso traria para a minha vida", realça a paciente, que deseja depois deste tratamento ter um nível de qualidade de vida mais elevado e "encarar o futuro com mais alegria".

Recuperação completa após um AVC é possível 
As pessoas que sofrem de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) podem recuperar por completo, seja em poucos dias ou passados alguns meses. Deve ser estabelecido um programa de reabilitação para cada doente, de acordo com uma avaliação das suas incapacidades, sendo fundamental a intervenção de uma equipa multidisciplinar em todo o processo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)