Tratamento do cancro da próstata permite cura em poucos minutos

Choques elétricos dizimam cancro com técnica minimamente invasiva, praticada em hospital do Porto.
Por Manuel Jorge Bento|08.12.18

E se fosse possível deixar de ter cancro na próstata em 30 a 90 minutos, numa intervenção minimamente invasiva, e ter alta no dia seguinte? É o que permite a técnica de eletroporação irreversível. "Com base na fusão das imagens de ressonância magnética e ecografia, são introduzidas agulhas (elétrodos) através do períneo, entre o ânus e os testículos, e entre cada par de agulhas é gerado um campo elétrico de alta intensidade e curtíssima duração (microssegundos), que destrói apenas a membrana das células cancerígenas, induzindo a sua morte", explica José Sanches de Magalhães, urologista que realizou a 100ª intervenção em Portugal, no Hospital de Santa Maria, no Porto.

O procedimento médico custa cerca de 15 mil euros, mas há já subsistemas de saúde a comparticipar quase a 100%, ainda que por reembolso da despesa e não adiantamento do valor. A intervenção - sob anestesia geral - preserva a glândula e "permite minimizar efeitos secundários associados ao tratamento deste cancro, como a disfunção erétil, a impotência sexual ou o risco de incontinência urinária", indica o médico, especialista em urologia oncológica.

Além disso, "como não inclui incisões, o tempo de recuperação é mínimo, com menos dor no pós-operatório", refere. No dia da cirurgia, "o doente faz um clister de limpeza e, depois, é aconselhável ficar com uma sonda na uretra dois dias para evitar o risco de inflamação ou edema", conclui.

José Sanches de Magalhães, médico urologista
CM - Quais as diferenças para outros tratamentos?
José S. Magalhães – Ao contrário de outras técnicas, em que há cirurgia ou radioterapia e em que se trata toda a glândula, fazemos apenas uma destruição parcial que não usa calor ou frio extremos, logo não danifica o ‘andaime’ que suporta as células cancerígenas, o que permite uma boa regeneração.

– A eletroporação irreversível é usada apenas para este tipo de cancro?
– Também é utilizada para outras patologias, no tratamento do cancro no pâncreas, nos rins e no fígado. Começa agora a dar os primeiros passos em Portugal.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!