Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
1

Televisões apertam cinto nas grelhas

Programas de ‘apanhados’ e vídeos do YouTube, reposições de novelas e talk shows ocupam cada vez mais tempo em grelhas televisivas que pretendem ser mais baratas
13 de Julho de 2012 às 15:00
Andreia Rodrigues - Apresentadora do ‘Fama Show’ está novamente no ar com ‘Gosto Disto!’. César Mourão - O actor tem animado as emissões de ‘Gosto Disto!’, programa que reúne vídeos do YouTube
Andreia Rodrigues - Apresentadora do ‘Fama Show’ está novamente no ar com ‘Gosto Disto!’. César Mourão - O actor tem animado as emissões de ‘Gosto Disto!’, programa que reúne vídeos do YouTube FOTO: Pedro Garcia e Diogo Pinto

Programas de ‘apanhados', magazines feitos à base de vídeos do YouTube, talk shows de manhã e de tarde, novelas em reposição e televendas são formatos que marcam cada vez mais as grelhas dos canais generalistas. A crise bateu à parta das estações portuguesas e a aposta em programas low cost, que permitam rentabilizar o investimento de uma forma mais imediata são, cada vez mais, uma constante.

A Correio TV analisou as grelhas da RTP 1, SIC e TVI, fez as contas, e chegou à conclusão de que, por cada 24 horas de programação, cerca de 50 por cento é preenchida por programas com custos de produção reduzidos. A SIC é a que mais horas de baixo custo oferece, de segunda a sexta-feira, com uma média de 12 horas e 15 minutos. Seguem-se a TVI, com cerca de 11 horas, e a RTP 1, com aproximadamente 10 horas e 30 minutos. A estes valores deve ainda ser acrescentada uma média de 6 horas diárias, por canal, de programas de informação. As escassas horas que ficam fora destas contas estão, no geral, entregues a concursos, na RTP, e a telenovelas, na SIC e TVI.

"Sem dinheiro não há palhaço", diz o povo. Estamos na fase do palhaço pobre. As grelhas generalistas procuram soluções o mais baratas possível para a maior audiência possível. Tiro-lhes o chapéu: também é preciso imaginação para se fazer programas maus e baratos que, mesmo assim, sejam vistos por muita gente", afirma Eduardo Cintra Torres à Correio TV. De resto, o crítico de televisão acredita que a tendência "é para manter" e lembra que "reposições sem fim e programas com vídeos sacados do YouTube devem ser o horário nobre de TV mais pobre dos países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ]".

Já Felisbela Lopes, pro-Reitora da Universidade do Minho, explica que "depois do aparecimento das televisões privadas, este tipo de programação foi aparecendo de forma intermitente, particularmente no Verão", quando os canais de TV optam por "soluções menos dispendiosas". Exemplo disso são os ‘apanhados' que tiveram várias fórmulas "sempre com sucesso garantido". Ainda assim, diz que "a crise que atravessamos propicia um fortalecimento desta engenharia de programação: barata, popular e de consumo descontínuo".

A SIC é a estação que actualmente mais horas de baixo custo põe em grelha. As manhãs são ocupadas por ‘Cartas da Maya' e ‘Querida Júlia' que garantem que o canal não tem de fazer grandes investimentos. Na tarde, a estação aposta na repetição de uma novela e em mais um talk show. De madrugada, as repetições preenchem quase por completo a grelha, que é ainda ocupada com televendas. Ao fim-de-semana, volta a aposta em repetições e programas de baixo orçamento, que garantem audiências e publicidade. É o caso de ‘Gosto Disto!', com Andreia Rodrigues e César Mourão, de ‘Não Há Crise', com Vanessa Oliveira e Nuno Graciano (ver caixa), e das repetições de ‘Floribella'. "O nosso esforço tem sido reduzir os custos dos programas existentes, adaptar a grelha e comprar conteúdos a preços mais baixos", diz Luís Marques, director-geral da SIC, à Correio TV. O responsável aponta ‘Gosto Disto!' como um exemplo do que pretende: "um formato que alia excelentes resultados a custos baixos". "Dadas as contigências do mercado temos de nos adaptar", diz Luís Marques, que acredita que "a situação veio para ficar".


A TVI tem apostado, sobretudo, na rentabilização dos seus produtos de ficção. O canal repõe actualmente três telenovelas (ver caixa), a que se juntam os talk shows de manhã ('Você na TV!') e de tarde (‘A Tarde é Sua'). A mais recente aposta em programas low cost é ‘Vídeo Pop', conduzido por Leonor Poeiras e Nuno Eiró, feito a partir de vídeos do YouTube. Aos fins-de-semana, o canal lança repetições de ‘Inspector Max' e de ‘A Tua Cara Não Me É Estranha' a que se juntam, claro está, as televendas e a série ‘Batanetes'. A Correio TV contactou os responsáveis da TVI mas nenhum se mostrou disponível para prestar declarações.

Também na RTP a palavra de ordem é cortar nos custos de grelha. Ainda assim, a estação é aquela que menos aposta em programas de baixo custo e repetições. O canal conta com os talk shows ‘Praça da Alegria' e ‘Portugal no Coração', um espaço que durante o Verão é ocupado por ‘Verão Total', que obriga a um investimento mais forte, já que é necessário deslocar meios pelo País. Mas ‘Verão Total' tem o apoio de câmaras municipais de norte a sul de Portugal. A redução de custos de grelha está essencialmente centrada no período nocturno, com talk shows (como ‘5 para a Meia-Noite'), repetições e televendas. "O mercado viveu acima das suas possibilidades e agora está a tentar estabilizar em torno de números mais realistas para a época que vivemos", reconhece Hugo Andrade, director de programas da RTP, à Correio TV, acreditando que este "é um percurso sem retorno". Os "media têm de gastar menos porque as receitas também são menores", diz. Quanto às repetições, afirma que "uma inteligente política" pode "rentabilizar melhor os conteúdos e fazê-los chegar a mais públicos". Neste contexto, está seguro de que "é possível ter qualidade, cumprir objectivos e ter custos menores".

Televisões grelhas youtube you tube
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)