Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
1

TVI faz cortes antes da compra pela Altice

Administração quer reduzir custos de grelha e atores de novelas viram salários afetados.
Duarte Faria 24 de Setembro de 2017 às 01:30
Media Capital
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Media Capital
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Media Capital
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
Administradores da Altice e Media Capital aquando do anúncio do negócio
A administração da Media Capital está a levar a cabo vários cortes antes da compra pela Altice. Ao que o CM apurou, a administradora Rosa Cullell, que manterá o cargo caso a dona da MEO assuma o controlo da empresa, terá chamado nas últimas semanas várias direções da TVI para pedir um corte nos custos de grelha até ao fim deste ano.

As medidas estão também a afetar vários colaboradores da Media Capital. Os atores que integram as produções da Plural Entertainment, responsável pela ficção nacional da TVI, têm assistido a uma redução substancial dos seus ordenados, o que, inclusive, terá gerado dificuldades para a montagem de elenco das próximas novelas da estação. O plano de cortes estará a ser articulado com a Altice, sabe o CM. Contactada, a TVI disse apenas que "não comenta intrigas de corredor".

Recorde-se que a compra da Media Capital (que detém também a Comercial e os sites IOL) pela Altice aos espanhóis da Prisa está a ser analisada pela Autoridade da Concorrência (AdC), que aguarda um parecer vinculativo da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

Mas o negócio de 440 milhões de euros já sofreu um primeiro revés: a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) tomou posição contra a operação por considerar que "é suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva nos mercados de comunicações eletrónicas, com prejuízo em última instância para o consumidor final".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)