Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
1

Ex-militares bolivianos rejeitam homenagear "Che" Guevara

Comemorações dos 50 anos da morte do guerrilheiro fuzilado na Bolívia dão polémica.
Lusa 7 de Outubro de 2017 às 08:15
Corpo de Che Guevara após ter sido fuzilado na Bolívia
Corpo de Che Guevara após ter sido fuzilado na Bolívia FOTO: Marc Hutten/AFP/Getty Images

As comemorações que assinalam os 50 anos da morte de Ernesto "Che" Guevara na Bolívia estão a causar mal-estar entre antigos militares bolivianos, que rejeitam participar nos atos oficiais.

O governo de La Paz promove uma série de eventos sobre a presença do grupo guerrilheiro de "Che" Guevara ferido e capturado no dia 8 de outubro de 1967 e fuzilado um dia depois no Sudoeste boliviano.

O grupo de 47 homens, liderado por Ernesto "Che" Guevara (1928-1967), o médico argentino, herói da revolução cubana tentou, entre 1966 e 1967, "expandir a revolução" na América Latina a partir de ações na Bolívia tendo sido combatido pelo Exército de La Paz, apoiado por forças especiais norte-americanas e agentes da CIA.

Meio século depois, os ex-militares do Exército da Bolívia, convidados a participarem em atos públicos que assinalam os acontecimentos relacionados com "Che" Guevara, rejeitaram o convite e criticaram o governo de Evo Morales.

"Nós temos os nossos próprios atos. O único ato deve ser para com aqueles que foram condecorados e que defenderam a pátria", disse Mário Moreira, da Confederação Nacional dos Condecorados da Campanha Contra a Guerrilha Ñancahuazú, citado pela imprensa de La Paz.

Um outro representante da organização acusou o governo de Evo Morales de estar a prejudicar, há mais de uma década, os ex-militares dos "benefícios e direitos pelos quais foram condecorados, por terem defendido o território de invasores estrangeiros", na segunda metade dos anos 1960.

Mário Moreira anunciou, entretanto, que os 350 veteranos bolivianos que constituem a confederação vão participar em cerimónias de homenagem aos "59 camaradas que tombaram em combate" contra a guerrilha entre os dias 6 e 10 de outubro de 1967 em La Paz, Santa Cruz e Cochabamba.

No final do passado mês de setembro, o ministro da Defesa da Bolívia, Reymi Ferreira, anunciava que os ex-guerrilheiros cubanos Harry Villegas (Pombo) e Leonardo Tamayo (Urbano) e que lutaram com "Che" Guevara na Bolívia vão estar presentes nas comemorações e em encontros com ex-militares bolivianos, "num ato de amizade para curar as feridas" do passado.

Apesar do anúncio, a confederação que reúne os antigos militares diz que "não conhece qualquer nota oficial sobre o encontro" e que não concorda com o ato de "reconciliação" rejeitando a presença de Ernesto "Che" Guevara no país.

"Ninguém tem o direito de vir para cá matar sob pretextos idealistas. Eles, na realidade, invadiram e nem sequer fizeram qualquer proposta. Vieram diretamente para causar luto e dor", acrescentou Moreira referindo-se a "Che" Guevara.

Para o governo de La Paz, os soldados que combateram "Che" Guevara "estão livres de qualquer acusação" porque cumpriam ordens, mas os oficiais são apontados como "assassinos" pelo governo porque obedeceram a ordens dos Estados Unidos.

O presidente Evo Morales afirmou que vão estar presentes, além dos ex-guerrilheiros cubanos, o vice-presidente de Cuba, Miguel Mario Díaz-Canel e o vice-chefe de Estado da Venezuela, Tareck El Aissami.

As comemorações que começaram na quinta-feira vão prolongar-se até ao dia 09 de outubro, sobretudo na cidade de Vallegrande onde o corpo de Erneste "Che" Guevara, que se encontrava numa vala comum, foi exumado e trasladado para Cuba, em 1997.

Guevara, médico, nascido na Argentina em 1928, participou desde o início na guerrilha liderada por Fidel Castro em Cuba, onde ocupou os cargos de presidente do Banco Central e de ministro da Indústria, após a queda do regímen de Fulgência Batista, em 1959.

Em 1965, o "comandante" da guerrilha cubana tenta no Congo expandir a revolução no continente africano onde se registavam vários conflitos, entre os quais a guerra colonial entre Portugal e os movimentos de libertação, na Guiné Bissau, Angola e Moçambique.

Em outubro do mesmo ano, Fidel Castro, publica uma carta de Ernesto "Che" Guevara em que indica que renuncia a todos os cargos que detinha "na revolução cubana" para se dedicar "a outros campos de batalha".

Após o fracasso da operação africana, Guevara regressa a Havana, em 1966, onde prepara a "propagação da revolução na América Latina" a partir da Bolívia.

"Che" Guevara foi capturado no dia 08 de outubro de 1967 no sudoeste da Bolívia e fuzilado às 13:10 do dia seguinte por Mario Téran, oficial subalterno do Exército da Bolívia.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)