Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
7

“Beijar Jessica Alba foi o momento mais alto da minha vida”

É um rosto familiar dos amantes do cinema de acção. Ele próprio ex-criminoso e ex-toxicodependente, Danny Trejo cumpriu onze anos de cadeia intermitente, antes de ser descoberto como actor. Em 'Machete' -onde contracena com Jessica Alba e Lindsay Lohan - atingiu a categoria de protagonista.
28 de Novembro de 2010 às 16:32
Depois de várias colaborações com o reallizador Robert Rodriguez, Danny Trejo chega a protagonista em 'Machete'
Depois de várias colaborações com o reallizador Robert Rodriguez, Danny Trejo chega a protagonista em 'Machete' FOTO: d.r.

Correio da Manhã - Aparentemente, este é realmente um filme que tinha de fazer...

Danny Trejo - Estou a treinar para ‘Machete' desde ‘Desperado' (1995) [risos]... Todos os filmes com o Robert [Rodriguez] eu uso um qualquer tipo de facas. Em ‘Desperado' andava sempre com facas e lembro-me de recordar ao Robert que parte da minha liberdade condicional dependia de não andar perto de facas.

- Quando fez o ‘trailer' para o Tarantino em ‘Grindhouse', já sabia que o Robert Rodriguez queria fazer um filme a partir da sua personagem?

- Quando discutimos este projecto há 16 anos, achávamos que seria o máximo. Entretanto fizemos ‘Grindhouse' e percebemos que teríamos de avançar. Quando fui a Inglaterra dei autógrafos a tipos que tinham ‘Machete' tatuado nas costas... [risos] Nós, mexicanos, temos tatuagem da Virgem de Guadalupe, mas fotos de Machete... [risos] Depois de o Robert De Niro e a Jessica Alba se associarem, o projecto tomou vida própria.

- Desde ‘Desperado' que trabalha com Robert Rodriguez. Como definiria essa relação profissional?

- Temos uma enorme comunicação. Eu sei o que ele quer e ele sabe o que eu quero. Gosto do olhar dele quando eu não me estou a sair bem... [risos] E como ele sabe exactamente o que quer, tudo se passa muito rápido. O que é óptimo.

- Temos de falar nas suas tatuagens, Danny. São excelentes! Têm alguma história particular? Fê-las em momentos importantes da sua vida?

 

- Todas têm o seu significado. Mas quando entrei neste mundo, as tatuagens eram moda. Quando estive preso andava sempre sem camisa e fazia muita musculação. Todos achavam que era um estereótipo. Mas um mexicano com tatuagens não é estereótipo.... Entretanto conheci o Robert Rodriguez que começou a dar-me sempre papéis melhores. Aliás, ele criou o primeiro herói de acção mexicano!

 

- Calculo que algumas tenham sido feitas quando passou tempo na prisão...

 

- Sim, nessa altura tinha muito tempo para não fazer nada. As tatuagens eram uma espécie de hobby.

 

- De que forma esse período influenciou a sua vida e moldou a sua personalidade?

- Quando saí da prisão dediquei a minha vida a ajudar os outros. Tudo o que de bom me aconteceu foi o resultado de ajudar alguém. Até o cinema, pois entrei ao ajudar um miúdo a sair da droga. Ele pediu-me para o vir ajudar no seu local de trabalho e eu fui. Entretanto encontrei um amigo, chamado Eddie Bunker, um argumentista. Estivemos os dois presos. Ele tinha escrito o guião de ‘Comboio em Fuga' (1985) - recebeu, aliás, uma nomeação para o Óscar - e convidou-me para ensinar boxe ao Eric Roberts. O resto é história. Nessa altura, o Konchalovsky disse-me: "Tu, fazer filmes!" [risos]...

- As notas de produção do filme dizem que é um conselheiro de intervenção. É isso que faz?

 

- Esse é capaz de ser o nome. Eu ainda trabalho para uma empresa que lida com alcoólicos, toxicodependentes e garotos sem rumo. É uma parte da minha vida de que gosto imenso. Ser actor deu-me uma ferramenta para chamar a atenção dos garotos. Eles viram-me em ‘Con Air - Fortaleza Voadora' (1997) ou ‘Heat - Cidade Sob Pressão' (1995). Enquanto que para muitos é quase impossível cativar a atenção deles, porque não querem saber, comigo, assim que entro na sala, ficam imediatamente atentos ao que tenho a dizer.

 

- Durante o tempo que esteve preso também lutou com problemas de toxicodependência?

- Sim. Terminei com a minha dependência em 1968 na prisão. Tal como a Jessica [Alba] é um modelo para muitas raparigas, também eu sou um modelo para muitos jovens. Mostramos-lhes uma vida que podem ter fora de álcool e drogas. Nesse sentido, a educação é a chave de tudo. O Robert [De Niro] disse-me uma coisa acertada: eu fui de ‘ex-con' para ‘icon' [risos]...

- Teve imensa sorte e, fazer uma cena em que estava a beijar duas beldades: a Lindsay Lohan e a Jessica Alba. O que nos pode dizer sobre essa cena?

- Acho que posso dizer que beijar a Jessica Alba foi um dos momentos mais altos da minha vida [risos]... Mas somos profissionais. Divertimo-nos e fizemos a cena. Depois dessa cena, três dos meus amigos tentaram beijar-me também... [risos]

- E como foi trabalhar com a Lindsay? Sentiu proximidade com todos os problemas que ela vive?

 

- A vida pessoal da Lindsay é com ela, mas quando estava no set era uma ‘pro'. E é profissional desde que apareceu em ‘Pai Para Mim... Mãe Para Ti' (1998). Gostei muito de trabalhar com ela e conheço-a há muito tempo. É difícil ter câmaras a seguir-nos todo o tempo e a captar tudo o que possamos fazer.

 

- Neste filme deixa muitos corpos por terra. Por isso pergunto: qual foi para si a execução mais divertida?

- São todas divertidas [risos]... Gosto muito da abertura. Mas a de fazer ‘rappel' nos intestinos é um clássico... [risos]

Cultura Cinema Robert Rodriguez Danny Trejo Jessica Alba 'Machete'
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)