Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Duas lésbicas e um homossexual decidem ter um filho

A Escola de Mulheres estreia, a 7 de Janeiro, mais uma peça da polémica escritora norte-americana Paula Vogel. Desta feita, um texto que põe em cena uma família ‘diferente’ e que chega em altura própria: quando se discute o casamento e a adopção por gays e lésbicas.
31 de Dezembro de 2009 às 14:00
Duas lésbicas e um homossexual decidem ter um filho
Duas lésbicas e um homossexual decidem ter um filho FOTO: D.R.

‘Ruth’ e ‘Ana’ são duas mulheres que se amam e que partilham a casa com ‘Peter’, amigo de ambas, homossexual. A ideia de ter um filho torna-se, neste contexto, mais fácil: porque não ser ‘Peter’ o pai biológico do filho de ‘Ruth’ e ‘Ana’?

 

É assim o enredo da peça ‘Com o Bebé Somos Sete’, que Paula Vogel escreveu em 1984 e que, a Escola de Mulheres estreia no início de 2010, no espaço que ocupa desde Março passado – o Clube Estefânia, em Lisboa.

 

Nascida em 1951, a autora, que em 1998 ganhou o Prémio Pulitzer com a peça ‘Como Aprendi a Conduzir’ (que fala de pedofilia e incesto e já foi apresentada pela Escola de Mulheres), é conhecida por abordar – de forma directa e pouco convencional – temas tabu na sociedade contemporânea.

 

‘A Valsa de Baltimore’ e ‘A Mais Velha Profissão’, por exemplo, duas peças já montadas pela companhia portuguesa, versam sobre sida e prostituição.

 

‘Com o Bebé Somos Sete’ tem encenação de Marta Lapa e interpretações de Cristina Carvalhal, Sérgio Praia e Margarida Gonçalves. O espectáculo é para maiores de 16 e os bilhetes custam entre os 7,5 e os 10 euros.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)