Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Portugal vence e convence na Polónia

Boa exibição da seleção nacional, que fica a um pequeno passo da qualificação para a Final Four da competição.
Mário Pereira 12 de Outubro de 2018 às 01:30
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
Portugal
A seleção portuguesa venceu com todo o mérito a Polónia e está a um pequeno passo de garantir a qualificação para a Final Four da Liga das Nações. Com cinco pontos de avanço sobre os dois rivais do grupo, a turma das quinas pode até celebrar o feito no sofá, bastando para isso que italianos e polacos empatem entre si no jogo a disputar no próximo domingo.

Uma certeza, desde já: Portugal não baixa de Liga, nesta primeira edição da competição, pois já é impossível ficar em último lugar do grupo.

A seleção mostrou esta quinta-feira que há mais vida para além de Ronaldo. Sem a sua referência máxima, a equipa aprende a jogar de forma menos comprometida e ontem teve até momentos de grande exuberância coletiva.

Não entra bem no jogo, sofre um golo, mas reage muito bem e toma conta dos acontecimentos a partir daí, aproveitando da melhor forma o espaço concedido pela deficiente marcação zonal dos polacos. Para jogadores rápidos e criativos como João Cancelo, Bernardo Silva, Pizzi e Rafa Silva, isso foram excelentes notícias. Antes do intervalo a reviravolta estava consumada.

Na segunda metade, Bernardo Silva tira um coelho da cartola. Fez o 3-1. Santos demora a mexer na equipa quando isso se exigia e a Polónia, com duas trocas, regressa ao jogo. Portugal volta a reagir bem e já com os devidos ajustes acaba a controlar. Vence e convence.

Mais
Portugal dos Silvas
André Silva marcou um bom golo. Rafa Silva esteve muito bem no lance do 1-2. Bernardo Silva magnífico no 1-3. Bem-vindos ao Portugal dos Silvas, que aprende a jogar coletivamente, e de forma alegre, quando não está lá Cristiano Ronaldo.

Menos
Trocas tardias
Não havia necessidade de Portugal se ter encolhido a meio da segunda parte, quando já vencia por 3-1. Uma gestão da equipa mais atempada (culpa de Santos) teria evitado um súbito ressurgimento da Polónia, que já parecia encostada às cordas.

Arbitragem
A bola estava fora
A equipa de arbitragem espanhola estava a ter um trabalho irrepreensível, mas borrou a pintura toda no lance do segundo golo da Polónia. Fica a sensação que a bola saiu totalmente de campo antes do cruzamento para dentro da grande área de Patrício.



Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)