Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Silas condena violência no Sporting

Treinador garante que contestação não afeta o plantel. Mas adianta que se em Alvalade todos puxarem para o mesmo lado “as coisas ficam mais fáceis”.
Rafael Soares e D.C. 15 de Fevereiro de 2020 às 07:14
Silas
Silas
Jorge Silas
Silas
Silas
Jorge Silas
Silas
Silas
Jorge Silas

"Tendo toda a minha vida ligada ao desporto, condeno todos e quaisquer atos de violência, tanto dentro como fora dos recintos", afirmou esta sexta-feira o treinador do Sporting, Silas, na conferência de antevisão ao jogo deste sábado frente ao Rio Ave, questionado pelas agressões por parte de adeptos leoninos a Filipe Osório de Castro, vice-presidente dos leões, Miguel Afonso, vogal da direção, e à filha deste.

O técnico, todavia, garante que o plantel tem estado imune à contestação. "Sobre a nossa performance em casa, não direi que isso tenha afetado. Nas partidas em que perdemos, não jogámos mal. Mas se estivermos todos a puxar para o mesmo lado, as coisas ficam mais fáceis para nós e mais complicadas para os adversários", apelou.

À margem da crise interna, e após o Sp. Braga ter acusado o clube de Alvalade de ser o mais beneficiado pelas arbitragens na Liga, Silas mostrou ter confiança nos juízes de jogo, mas deixa um alerta.

"Os árbitros cometem erros em todo o lado, não é só aqui. É verdade que, pontualmente, podemo-nos sentir uma ou outra vez prejudicados, mas não acho que os árbitros sejam maus. Confio nos árbitros portugueses e não acredito que estejam condicionados. Há gente que pode querer condicioná-los. Mas este sábado eles estão mais preparados do que há 10, 20 ou 30 anos", frisou.

O treinador, de 43 anos, explicou ainda a diferença de 19 pontos para o Benfica. "É difícil encontrar uma Liga na qual uma equipa tenha perdido tão poucos pontos. Temos de olhar para cima, nós somos o Sporting. Equiparamo-nos aos outros dois grandes porque nos jogos contra eles não fomos inferiores. Mas eles têm sido mais regulares", concluiu.

PORMENORES
Dois regressos
O extremo congolês Bolasie e o avançado Pedro Mendes voltaram a ser convocados por Jorge Silas, depois de terem ficado de fora dos últimos jogos por opção técnica.

Renan de fora
O guarda-redes brasileiro Renan continua com queixas no adutor esquerdo e está fora do jogo com o Rio Ave, tal como o avançado Luiz Phellype, o defesa-central Mathieu e o lateral-esquerdo Acuña.

Sem vencer o Rio Ave
O Sporting ainda não venceu o Rio Ave nesta temporada, apesar de ter feito os dois jogos em Alvalade. Perdeu na primeira volta por 3-2 e também saiu derrotado por 2-1 no jogo da Taça da Liga.

"A minha relação com as claques sempre foi boa"
Sousa Cintra afirmou esta sexta-feira em tribunal que a sua relação com as claques "sempre foi boa" e que o Sporting precisa de apoio. "Quando assumi a presidência da SAD falei com as claques, tivemos uma reunião com eles e dissemos: ‘Precisamos da vossa ajuda para que tudo corra bem’. Nunca tive nenhum problema com as claques", frisou o antigo presidente do Sporting, que foi chamado a testemunhar no julgamento do ataque à Academia de Alcochete.

Sousa Cintra garantiu ainda que após a invasão não houve um reforço de segurança na academia. Numa altura em que Frederico Varandas declarou guerra a duas das claques do Sporting, Sousa Cintra considerou, já fora do tribunal, que o atual presidente dos leões não conseguiu unir os sportinguistas, sublinhando a necessidade de diálogo interno no clube.

"O doutor Varandas chegou e quis alterar as coisas. Disse que queria unir os sportinguistas, como é que queria unir os sportinguistas mandando o treinador [José Peseiro] embora?", rematou. Na 30ª sessão de julgamento foi ainda ouvido o arguido Gustavo Tavares. O jovem diz que está arrependido e que estava alcoolizado quando escreveu as mensagens no grupo de WhatsApp, no qual é combinada a invasão. O arguido pediu ainda desculpa ao Sporting, aos jogadores e à Juve Leo, apelando que o tribunal lhe dê uma segunda oportunidade. O julgamento retoma na próxima terça-feira.

"Espero um jogo mais difícil"
"Espero um jogo mais difícil do que aqueles que realizámos em Alvalade porque, apesar de o Sporting continuar num período algo conturbado, está mais estável e com outros processos. Mas também espero um Rio Ave com vontade de vencer", disse Carlos Carvalhal, treinador do Rio Ave, na antevisão ao jogo deste sábado.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)