Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Balas de borracha disparadas contra manifestantes em Hong Kong

Protestos paralisam cidade e forçam adiamento de debate sobre lei polémica que permite extradição de suspeitos para a China.
Ricardo Ramos 13 de Junho de 2019 às 09:19
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
Tensão vivida em protestos em Hong Kong
A polícia de Hong Kong usou esta quarta-feira balas de borracha e gás lacrimogéneo para tentar fazer dispersar milhares de manifestantes que cercaram a Assembleia Legislativa em protesto contra a nova lei que permite a extradição de suspeitos para a China, na mais grave crise política a abalar o território desde o fim da soberania britânica há duas décadas.

Depois de no domingo mais de um milhão de pessoas terem protestado contra a polémica lei, dezenas de milhares de manifestantes voltaram ontem a sair à rua, ocupando as estradas que dão acesso à Assembleia e erguendo barricadas.

As tentativas iniciais da polícia para desalojar os manifestantes depararam com forte resistência, levando as forças de segurança a recorrer a canhões de águas, gás lacrimogéneo, balas de borracha e bastões. Pelo menos 72 pessoas foram hospitalizadas.

Apesar da violência, os manifestantes prometem não arredar pé das ruas até a legislação ser anulada, e ontem conseguiram uma primeira vitória, com o executivo a adiar por tempo indeterminado o debate da nova lei.

Ativistas pró-democracia alegam que a lei pode ser usada para extraditar dissidentes e críticos para a China, além de constituir uma violação das salvaguardas previstas na fórmula ‘um país, dois sistemas’ que rege as relações entre Pequim e a ex-colónia britânica desde 1997.
Hong Kong Assembleia Legislativa Pequim China política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)