Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Bolsonaro reforça vantagem após ataque com faca

Candidato da extrema-direita brasileira subiu 4% e já tem 18 pontos de vantagem sobre Ciro Gomes.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 11 de Setembro de 2018 às 01:30
Bolsonaro
Jair Bolsonaro no momento em que foi esfaqueado
Bolsonaro na cama do hospital de Juiz de Fora
O momento em que Bolsonaro é esfaqueado, em ação de campanha no Brasil
Bolsonaro
Jair Bolsonaro no momento em que foi esfaqueado
Bolsonaro na cama do hospital de Juiz de Fora
O momento em que Bolsonaro é esfaqueado, em ação de campanha no Brasil
Bolsonaro
Jair Bolsonaro no momento em que foi esfaqueado
Bolsonaro na cama do hospital de Juiz de Fora
O momento em que Bolsonaro é esfaqueado, em ação de campanha no Brasil
Na primeira sondagem divulgada após o grave ataque à facada que sofreu na passada quinta-feira e lhe provocou lesões no abdómen, Jair Bolsonaro, que já liderava a corrida para as presidenciais de outubro no Brasil, ampliou ainda mais a vantagem sobre os adversários.

No estudo, divulgado esta segunda-feira pelo Instituto BTG, Bolsonaro surge com nada menos de 18 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, Ciro Gomes.

O candidato, que na sondagem anterior do mesmo instituto tinha 26% das intenções de voto, subiu agora para 30%, contra 12% de Ciro e 8% dos outros três principais candidatos, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Fernando Haddad. Destes três últimos, Marina perdeu três pontos, Alckmin ficou igual e o virtual substituto de Lula da Silva, Fernando Haddad, subiu dois. A sondagem vem assim confirmar o receio dos adversários de que a violência de que Bolsonaro foi vítima o beneficie nas urnas.

Entretanto, os médicos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, confirmaram que Bolsonaro terá de se submeter a uma nova cirurgia de grande porte para a reconstrução do intestino, parcialmente destroçado pela facada desferida pelo agressor. Essa cirurgia só deve ocorrer dentro de dois meses, pois Bolsonaro, apesar de estar a recuperar, ainda apresenta um quadro grave, tendo de ser alimentado por via endovenosa e de usar uma bolsa de colostomia para recolher as fezes.
Ver comentários