Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Facebook, Twitter e Google arrasados por demorarem a retirar vídeo em direto do ataque na Nova Zelândia

Horas após o ataque, cópias do vídeo ainda estavam disponíveis nas várias redes sociais.
15 de Março de 2019 às 20:26
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Um dos atiradores filmou o ataque a mesquita na Nova Zelândia
Imagens do ataque a mesquita na Nova Zelândia
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Um dos atiradores filmou o ataque a mesquita na Nova Zelândia
Imagens do ataque a mesquita na Nova Zelândia
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Um dos atiradores filmou o ataque a mesquita na Nova Zelândia
Imagens do ataque a mesquita na Nova Zelândia
Ataque terrorista a mesquita na Nova Zelândia
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
O Facebook, Twitter e Google estão a ser fortemente criticados pela forma como trataram o vídeo transmitido em direto do ataque a mesquita na Nova Zelândia que acabou por ser amplamente partilhado nas redes sociais 

Horas após o ataque, cópias do vídeo ainda estavam disponíveis no YouTube, no Facebook e no Twitter da Alphabet Inc, bem como no Instagram e no WhatsApp do Facebook.

Os senadores democratas dos EUA, Cory Booker e Mark Warner, criticaram as empresas por serem muito lentas em eliminar qualquer rasto das imagens.

"As empresas de tecnologia têm a responsabilidade de fazer a coisa moralmente certa. Não importa os lucros", disse Booker.

"É inaceitável, nunca deveria ter acontecido, e deveria ter sido removido com muito mais rapidez", acrescenta ainda alegando que este tipo de conteúdo de ódio não pode ser permitido. 

A Warner destacou a velocidade e a forma como o material foi compartilhado.

"A disseminação rápida e em larga escala deste conteúdo de ódio - transmitido ao vivo no Facebook, carregado no YouTube e amplificado no Reddit - mostra com que facilidade as maiores plataformas ainda podem ser mal utilizadas", disse a Warner num comunicado. 

O Facebook, Twitter e YouTube disseram que estavam a tomar medidas para remover os vídeos.

"A polícia alertou-nos para um vídeo no Facebook logo após o início da transmissão ao vivo e removemos rapidamente as contas do Facebook e do Instagram do atirador, bem como o vídeo", twittou o Facebook.

"Também estamos a remover qualquer elogio ou apoio ao crime e ao atirador ou atiradores à medida que vamos tendo conhecimento", acrescenta a rede social.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)