Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

George Michael defendia sexo em público com desconhecidos

Cantor viu-se envolvido em várias polémicas e chegou a ser detido por se exibir numa casa de banho.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 26 de Dezembro de 2016 às 12:41
George Michael dizia-se atormentado pelo 'luto e auto-abuso'
Cantor foi detido nesta casa de banho pública, em Beverly Hills
Casa de banho onde George Michael foi detido, em 1998
Antes de se assumir como homossexual, cantor afirmava que tinha dormido com muitas mulheres, e até disse que tinha tido um 'flirt' com a princesa Diana
George Michael dizia-se atormentado pelo 'luto e auto-abuso'
Cantor foi detido nesta casa de banho pública, em Beverly Hills
Casa de banho onde George Michael foi detido, em 1998
Antes de se assumir como homossexual, cantor afirmava que tinha dormido com muitas mulheres, e até disse que tinha tido um 'flirt' com a princesa Diana
George Michael dizia-se atormentado pelo 'luto e auto-abuso'
Cantor foi detido nesta casa de banho pública, em Beverly Hills
Casa de banho onde George Michael foi detido, em 1998
Antes de se assumir como homossexual, cantor afirmava que tinha dormido com muitas mulheres, e até disse que tinha tido um 'flirt' com a princesa Diana

Uma das vozes mais icónicas do Reino Unido (e do Mundo), George Michael era um artista pop, mas nem por isso deixava de ter um estilo de vida típico de uma ‘rock star’. O cantor via-se regularmente envolvido em polémicas com o consumo de drogas e a sua sexualidade.

A orientação sexual de George Michael foi alvo de muita especulação mas após o infame episódio numa casa de banho em Beverly Hills, na Califórnia, no ano de 1992, o cantor assumiu-se como homossexual.

A 7 de abril de 1998, George Michael foi detido por ter exibido o pénis e se ter masturbado numa casa de banho pública. Um polícia à paisana apanhou o cantor em pleno ato e contou a história. "Entrei na casa de banho e reparei no suspeito junto ao urinol. Olhou na minha direção. Entrei numa das cabines e deixei a porta aberta, simulando que estava a urinar. O George Michael afastou-se do urinol e encostou-se à parede enquanto olhava para mim. Vi que estava a expôr o seu pénis ereto e começou a masturbar-se. Depois, com a outra mão, baixou as calças para exibir as nádegas. Continuou a masturbar-se quando passei por ele e saí da casa de banho. Contactei os meus colegas, que depois o detiveram", revelou o agente no relatório policial.

George Michael foi condenado a serviço comunitário, mas não deixou de "lançar farpas" aos agentes que o detiveram. O videoclipe da música ‘Closer’ mostra polícias a dançar numa casa de banho e depois a beijarem-se.

O cantor referiu-se ao episódio mais tarde, numa entrevista. "Fui seguido para a casa de banho por um polícia, mas não sabia que era um polícia. Ele começou a jogar aquele jogo que acho que se chama ‘Eu mostro-te a minha, tu mostras-me a tua e quando mostrares eu prendo-te", afirmou George Michael.

O cantor sempre disse que sofria dois problemas: "luto e auto-abuso". Nunca recuperou da morte do parceiro, Anselmo Feleppa, vítima de sida, em 1993, e da mãe, de quem era inseparável, em 2007, vítima de cancro. Entrou em depressão e numa espiral de destruição. Chegou a consumir mais de 25 cigarros de canábis por dia e foi obrigado a tratar o vício em clínicas de reabilitação.

Tinha ainda o hábito de frequentar locais públicos, onde tinha sexo com desconhecidos, prática que defendia. "Nunca pedi nem hei de pedir desculpa pela minha vida sexual", desabafou em 2011, no Twitter. Confessou ao amigo Piers Morgan que tinha chegado a ter mais de 500 parceiros sexuais em sete anos, o que significa, um diferente a cada cinco dias.

Iniciou uma relação aberta estável com Kenny Goss, que acabou por colapsar. Mantiveram-se amigos e o ex-namorado foi o grande apoio de George Michael quando, em 2011, se viu às portas da morte devido a uma pneumonia. Antes da doença, tinha decidido melhorar o estilo de vida, após ter sido preso por conduzir sobre o efeito de drogas.

Houve relatos de que tinha deixado de consumir canábis, mas que estava agora viciado em medicamentos. Os amigos do cantor sempre negaram os internamentos em clínicas de reabilitação, o último que teria acontecido em 2015. George Michael chegou a emitir um comunicado em que afirmava estar apenas a "tirar umas férias prolongadas".

Nos últimos meses mal saía de casa. Tinha ganhado peso e estaria a sofrer de uma depressão que, segundo o próprio, sempre o atormentou.

Ver comentários