Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Organização Mundial de Saúde preparada para ajudar governo moçambicano a enfrentar doenças

São esperados mais surtos devido às más condições sanitárias, falta de acesso a água potável e casas sobrelotadas.
Lusa 1 de Abril de 2019 às 17:58
Número de mortos sobe para 493 após ciclone Idai em Moçambique
Ciclone Idai
Ciclone Idai
Passagem do Ciclone Idai em Moçambique
Número de mortos sobe para 493 após ciclone Idai em Moçambique
Ciclone Idai
Ciclone Idai
Passagem do Ciclone Idai em Moçambique
Número de mortos sobe para 493 após ciclone Idai em Moçambique
Ciclone Idai
Ciclone Idai
Passagem do Ciclone Idai em Moçambique
A diretora da Organização Mundial de Saúde para África (OMS), afirmou que se está a "posicionar" para ajudar o governo moçambicano a prevenir os surtos de doenças na Beira e evitar um colapso do sistema de saúde.

"Estamos a posicionar-nos para ajudar o governo [moçambicano] e os parceiros para isso. Temos de nos lembrar que, muitas vezes, os impactos em termos de doenças se devem mais ao colapso do sistema de saúde do que ao impacto direto da própria catástrofe", declarou Matshidiso Moet, após visitar o Centro de Controlo da Cólera instalado no complexo sanitário do bairro de Mucurungo, na Beira.

A responsável da OMS assinalou que os casos de cólera "têm aumentado todos os dias" e, por isso, é preciso criar mais centros de tratamento, para que a população a eles possa recorrer ao sentir os primeiros sintomas, para prevenir a expansão da doença.

Avisou também que são esperados mais surtos devido às más condições sanitárias, falta de acesso a água potável e casas sobrelotadas.

"Daqui a alguns dias vamos começar a fazer a campanha de vacinação oral para melhorar a imunidade da população e conter a transmissão. Alem disso esperamos outro tipo de surtos surtos de sarampo, aumento dos casos de malária", exemplificou

A médica sublinhou que é preciso "trabalhar como governo e os outros parceiros para restabelecer os cuidados de saúde essenciais.

"Para as mulheres que vão dar à luz, por exemplo, certificarmo-nos que são ajudadas por uma profissional com formação adequada, para as crianças pequenas controlar as doenças comuns", adiantou.

Lembrou também que Moçambique "é uma região com problema significatiivo de HIV e temos de nos certificar que as pessoas podem continuar a fazer o tratamento, bem como as pessoas com doenças crónicas, para prevenir que isto se torne numa segunda crise de saúde"

A responsável da OMS cruzou-se no local com o amigo Francisco George, presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, cujo hospital de campanha está instalado no mesmo local.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)