Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Civis substituem GNR e PSP nas esquadras

Governo vai avançar, em 2019, com medida para libertar militares e polícias para serviços operacionais.
António Sérgio Azenha 18 de Setembro de 2018 às 01:30
Polícia a equipar-se numa esquadra da PSP
PSP
PSP
Incidente aconteceu esta madrugada no Porto
GNR, Guarda Nacional Republicana, segurança, autoridades
Situação com os militares da GNR aconteceu durante a madrugada próximo da rua dos bares da Oura, em Albufeira
Polícia a equipar-se numa esquadra da PSP
PSP
PSP
Incidente aconteceu esta madrugada no Porto
GNR, Guarda Nacional Republicana, segurança, autoridades
Situação com os militares da GNR aconteceu durante a madrugada próximo da rua dos bares da Oura, em Albufeira
Polícia a equipar-se numa esquadra da PSP
PSP
PSP
Incidente aconteceu esta madrugada no Porto
GNR, Guarda Nacional Republicana, segurança, autoridades
Situação com os militares da GNR aconteceu durante a madrugada próximo da rua dos bares da Oura, em Albufeira
O Governo quer avançar, no próximo ano, com a substituição de militares da GNR e polícias da PSP que exercem funções administrativas por pessoal civil. A medida é uma das traves-mestras da "reorganização das estruturas de suporte das FSS [Forças e Serviços de Segurança], visando maior eficácia e a libertação de efetivos e recursos para a componente operacional", assume o Governo nas Grandes Opções do Plano (GOP) para 2019.

A substituição de militares e polícias em funções administrativas por civis é um objetivo antigo de vários governos, mas nunca foi concretizado. A aplicação dessa medida permitirá que as funções administrativas em esquadras e outros serviços da GNR e da PSP sejam exercidas por civis. Por essa via, serão libertados militares e polícias para funções operacionais.

Para o presidente da Associação dos Profissionais da GNR (APG), "a medida, se avançar, é positiva, somos é céticos quanto à sua aplicação". César Nogueira considera que "a concretização da medida exige a fiscalização no terreno do Governo."

O presidente da APG admite que a concretização desta medida permitiria "libertar alguns milhares de guardas para serviços operacionais." Já o presidente da Associação Sindical dos Profissionais da PSP (ASPP) defende que esta medida "não vai resolver nada na Polícia." Para Paulo Rodrigues, "a questão é que a PSP tem falta de efetivos e os [efetivos] que tem já têm uma idade média avançada." Por isso, diz que "é preciso reorganizar a Polícia."

Nas GOP, o Governo assume também que, em 2019, prosseguirá com a atribuição de novas viaturas às Forças de Segurança: até 2021, serão entregues à GNR e PSP 2270 novos veículos. O investimento em armas, equipamento de proteção individual e apoio à atividade operacional terá o investimento reforçado em cerca de oito milhões de euros.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)