Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Forças Armadas têm mais 1,6 mil milhões de euros

Governo vai atribuir à Lei de Programação Militar uma verba total superior a 4,7 mil milhões de euros.
António Sérgio Azenha 21 de Setembro de 2018 às 08:34
Reforço do orçamento da Lei de Programação Militar foi aprovado pelo Exército, que ainda assim pretende antecipar para 2019 despesa prevista para mais tarde
Forças Armadas angolanas
Forças Armadas angolanas
Reforço do orçamento da Lei de Programação Militar foi aprovado pelo Exército, que ainda assim pretende antecipar para 2019 despesa prevista para mais tarde
Forças Armadas angolanas
Forças Armadas angolanas
Reforço do orçamento da Lei de Programação Militar foi aprovado pelo Exército, que ainda assim pretende antecipar para 2019 despesa prevista para mais tarde
Forças Armadas angolanas
Forças Armadas angolanas
O Governo vai aumentar o orçamento da Lei de Programação Militar (LPM), que irá vigorar entre 2019 e 2030, em cerca de 1,6 mil milhões de euros.

Com este reforço financeiro, as Forças Armadas terão mais de 4,7 mil milhões de euros para fazer face às despesas com o reequipamento, que inclui a compra de seis aviões e a construção de sete novos navios. A proposta da LPM é discutida hoje no Conselho Superior de Defesa Nacional, que será presidido pelo Presidente da República.

O reforço do orçamento da LPM, no período entre 2019 e 2030, insere-se no compromisso assumido por Portugal, no âmbito da NATO, de aumentar a despesa com o setor da Defesa até 2,5% do PIB. A ser aprovada como está, a proposta implica um aumento de quase 47% no orçamento da LPM, face à verba de cerca de 3,2 mil milhões de euros inscrita na atual lei.

Com uma verba total superior a 4,7 mil milhões de euros, as Forças Armadas poderão comprar, por exemplo, seis novos aviões KC - 390, produzidos pela brasileira Embraer, seis novos navios-patrulha oceânicos, que deverão ser construídos nos estaleiros em Viana do Castelo, um navio polivalente logístico e um reabastecedor para apoiar esses barcos.

A proposta da LPM foi aprovada na última terça-feira no Conselho Superior Militar. Nessa reunião estiveram presentes o ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, e os chefes do Estado-Maior General das Forças Armadas, Silva Ribeiro, e da Marinha, almirante Mendes Calado, do Exército o general Rovisco Duarte, e da Força Aérea o general Manuel Teixeira Rolo.

O Exército aprovou a proposta da LPM, mas manifestou reservas. No entender deste ramo, é importante, segundo apurou o CM, antecipar para 2019 a realização de despesa prevista para mais tarde.

SAIBA MAIS 
1000
milhões de euros foi quanto custou a compra dos dois submarinos a um consórcio alemão, em 2004, quando Durão Barroso era primeiro-ministro e Paulo Portas era ministro da Defesa.

Pressão dos EUA
O aumento da despesa dos estados-membros da NATO com o setor da Defesa é uma consequência da pressão dos Estados Unidos, na presidência de Trump. A instabilidade geopolítica e o crescimento da ameaça do radicalismo árabe contribuem também para o aumento do investimento na Defesa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)