Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Portas: CDS volta a ser "partido relevante nas autarquias"

Conheça as reações dos candidatos autárquicos após tomarem conhecimento dos primeiros resultados das votações. (Última atualização às 23h19)

29 de Setembro de 2013 às 18:14
fernando seara, eleições, autárquicas, lisboa,
fernando seara, eleições, autárquicas, lisboa, FOTO: LUSA

23H19 - PORTAS: CDS VOLTA A SER "PARTIDO RELEVANTE NAS AUTARQUIAS"

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, declarou que, com a conquista da presidência de cinco câmaras municipais, o seu partido voltou a ser " relevante nas autarquias", com quem terão que contar na Associação Nacional de Municípios.

"Conseguimos esta noite voltar a ser um partido relevante nas autarquias locais", afirmou Paulo Portas, numa declaração na sede do CDS-PP, em Lisboa, em que não respondeu a perguntas dos jornalistas.

O CDS-PP manteve a liderança da autarquia de Ponte de Lima, continuando em maioria absoluta, e conquistou, por maioria absoluta, a presidência das câmaras municipais de Albergaria-a-Velha, Vale de Cambra, Velas e Santana.

"Terão que contar connosco na Associação Nacional de Municípios Portugueses", declarou o também vice-primeiro-ministro. 

23H11 - JERÓNIMO DE SOUSA CONFIRMA "IMPORTANTE VITÓRIA ELEITORAL"

O líder da Coligação Democrática Unitária (CDU) confirmou uma "importante vitória eleitoral" nas autárquicas, contabilizando as autarquias de Évora (maioria absoluta), Beja, Grândola, Alcácer do Sal, Alandroal, Cuba, Vila Viçosa, Monforte e Silves, podendo ainda contar um eventual triunfo em Loures. Pela negativa, a CDU perder Vendas Novas, que detinha há 39 anos, desde o 25 de abril.

"A expressiva votação alcançada com o significativo reforço da percentagem eleitoral, aumento do número de vereadores, confirmação da generalidade das suas posições de maioria e a conquista de novas maiorias, como os casos de Évora, Grândola, Alcácer do Sal, Alandroal, Cuba, Vila Viçosa, Monforte, Silves e Beja, com a possibilidade de vencer em mais municípios, nomeadamente Loures", disse Jerónimo de Sousa.

Na sede da coligação que junta PCP, ‘Os Verdes’ e Intervenção Democrática, em Lisboa, o líder comunista criticou "manobras ensaiadas para procurar afastar leituras nacionais destas eleições" e reiterou que existe uma "expressão significativa no plano eleitoral do crescente isolamento político e social dos partidos do Governo que só reforçam a necessidade, possibilidade e urgência da sua demissão".

"Este Governo é um Governo mais isolado, ilegítimo, que governa contra a lei e a Constituição. Veio este resultado confirmar que o Governo tem os dias contados, é um Governo derrotado e isolado dos portugueses", insistiu.

O secretário-geral do PCP, interrompido várias vezes com salvas de palmas e gritos pela CDU, observou uma "clara condenação ao PSD e CDS, que executam esta política de direita".

"O PS consegue conquistas nalgumas câmaras mas, de facto, não ganhou e até recuou em algumas mais significativas, em capitais de distrito", comentou Jerónimo de Sousa. 

22H58 - PAULO VISTAS: "É UMA HONRA" SUCEDER A ISALTINO MORAIS

O candidato do movimento independente Isaltino Oeiras Mais À Frente (IOMAF), Paulo Vistas, que assumiu a sua vitória, dizendo ser "uma honra" suceder a Isaltino Morais, "o melhor autarca do país".

"É um enorme privilégio e uma honra suceder àquele que foi considerado o melhor autarca do país e o rosto da obra em Oeiras", afirmou Paulo Vistas, na sede da sua campanha, em Porto Salvo.

O candidato independente, que assumiu a sua vitória cerca das 22h30, embora ainda sem terem sido reveladas projeções televisivas, dirigiu ainda, através das televisões, um "forte abraço, carregado de saudade", a Isaltino Morais, preso desde o dia 24 de abril por fraude fiscal e branqueamento de capitais para cumprir uma pena de dois anos.

Desde esse dia que Paulo Vistas, até então vice-presidente de Isaltino Morais, assumiu o cargo de presidente da Câmara de Oeiras.

Recebido com gritos, bandeiras e apitos de cerca de 300 apoiantes, Paulo Vistas considerou esta como uma "noite de alegria e de dever cumprido" e prometeu fazer de tudo, nos próximos quatro anos para merecer a confiança dos que votaram nele.

"Hoje é uma grande noite para Oeiras. Acabam de garantir que o seu concelho continuará no caminho do desenvolvimento, qualidade de vida e progresso. Tenho muito orgulho em continuar a ser presidente da Câmara Municipal de Oeiras, desta vez legitimado pelo voto em urna. A partir de amanhã serei presidente de todos", sustentou.

O candidato do PSD, Francisco Moita Flores, assumiu já a sua derrota.

Além de Paulo Vistas e Moita Flores, candidataram-se à Câmara de Oeiras Marcos Sá (PS), Paulo Freitas do Amaral (CDS-PP), Daniel Branco (CDU), Carlos Gaivoto (BE), Richard Warrel (PAN) e Joaquim Manuel Ferreira (PCTP/MRPP).

22H45 - EMANUEL CÂMARA: "FINALMENTE A DEMOCRACIA CHEGOU AO PORTO MONIZ"

O candidato do PS eleito para a presidência da câmara do Porto Moniz, Emanuel Câmara, um dos concelhos que mudou de cor na Madeira, diz que "finalmente a democracia" chegou àquela localidade da zona norte da ilha.

"Finalmente a democracia chegou ao Porto Moniz, porque o cerne da democracia é a alternância do poder", disse Emanuel Câmara à agência Lusa.

Para o próximo presidente do município do Porto Moniz, um candidato que há 20 anos é a cara do PS na luta contra o PSD naquele município, "a vitória eleitoral de hoje é de toda a população" do concelho, sobretudo dos que há duas décadas o apoiam, "incluindo os que partiram".

"Ao contrário do que aconteceu no passado, e de termos vencido em quatro das freguesias, tendo perdido as Achadas da Cruz, esta vitória é para toda a gente, é como se todos tivessem votado PS", argumentou.

Emanuel Câmara anunciou que a primeira medida que vai tomar é "realizar um porta-a-porta para saber o que as pessoas precisam, porque a grande obra que o Porto Moniz precisa é a social".

O PS impôs hoje a primeira derrota eleitoral ao PSD no Porto Moniz, invertendo o resultado obtido em 2009, pois assegurou três mandatos na câmara daquela localidade, obtendo 1.067 votos (49,1%), enquanto o PSD apenas tem dois.

O CDS obteve 29 votos (1,33%) e o PCP 18 votos (0,83%).

22H29 - RUI MOREIRA: PORTO DARÁ "O EXEMPLO PARA PORTUGAL"

O independente Rui Moreira, eleito hoje presidente da Câmara do Porto, afirmou que estas eleições são um "sinal claro de que é possível fazer diferente", prometendo que o Porto dará "o exemplo para Portugal".

No seu discurso de vitória, Rui Moreira prometeu "romper com o atual estado das coisas", reafirmando não ser contra os partidos, mas que "os partidos não têm estado bem".

Numa sede de candidatura cheia, Moreira garantiu cumprir com o seu programa e não se esquecer daquilo que viu e ouviu durante a campanha eleitoral.

22H24 - MOITA FLORES ASSUME DERROTA EM OEIRAS

O candidato do PSD à Câmara de Oeiras, Francisco Moita Flores, assumiu que "o objetivo" da sua candidatura "não foi conseguido", sublinhando que o partido levou a votos propostas que "nada têm que ver com poder pessoal".

Francisco Moita Flores afirmou que esta candidatura deixa "marcada uma memória profunda de um tempo em que [o partido apresentou] propostas de construção, de políticas concretas e um projeto político concreto que nada tem que ver com poder pessoal, ambições pessoais e interesses privados".

Candidataram-se também à Câmara de Oeiras Paulo Vistas (movimento IOMAF - Isaltino Oeiras Mais À Frente), Marcos Sá (PS), Paulo Freitas do Amaral (CDS-PP), Daniel Branco (CDU), Carlos Gaivoto (BE), Richard Warrel (PAN) e Joaquim Manuel Ferreira (PCTP/MRPP).

Cerca das 20:00, hora em que as projeções televisivas ainda não avançavam um vencedor no concelho, os apoiantes do IOMAF começaram a celebrar a vitória de Paulo Vistas, ex-vice-presidente da câmara que ficou com a presidência após a saída de Isaltino Morais para cumprir uma pena de prisão.

Na sede de campanha, em Porto Salvo, cerca de 100 apoiantes iniciaram a festa, batendo palmas, agitando bandeiras e gritando o nome de Isaltino Morais.

22H17 - MANUEL ALEGRE: PSD TEVE "UM DESASTRE CLARÍSSIMO"

O ex-candidato presidencial Manuel Alegre considerou que os resultados das eleições autárquicas traduziram-se numa vitória do PS e do seu secretário-geral, António José Seguro, e num "desastre claríssimo" do PSD.

Manuel Alegre falava aos jornalistas quando saía da sede nacional do PS, em Lisboa, onde esteve a acompanhar desde as 19h00 a evolução dos resultados nacionais, e antes de se encontrar com o reeleito presidente da Câmara de Lisboa, António Costa.

"Estas eleições traduziram-se num desastre do PSD e numa votação muito significativa no PS, confirmando este partido de novo como a maior força política em Portugal", apontou.

De acordo com Manuel Alegre, nesta noite eleitoral, registou-se também "uma votação significativa na CDU", o que, na sua perspetiva, permite concluir pela existência de uma "derrota claríssima do PSD, apesar dos esforços múltiplos dos derrotados e de muitos comentadores para a tentar disfarçar".

"Mas os números são os números: Há uma grande vitória do PS e uma derrota do PSD. Isto exprime um sentimento profundo dos portugueses, embora tudo indique que o primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] vá ser indiferente, ao contrário do que fizeram seus antecessores como Francisco Pinto Balsemão, António Guterres, embora tendo ganho as eleições [autárquicas de 2001], demitiu-se por ter perdido Lisboa e Porto", referiu Manuel Alegre.

Interrogado se o primeiro-ministro deveria tirar ilações sobre a derrota do PSD nas eleições autárquicas, o ex-candidato presidencial considerou que isso não irá acontecer.

"O senhor Presidente da República [Cavaco Silva] também não tirará consequências. Mas os factos estão aí", declarou.

21H39 - ANTÓNIO PARADA: "O ÚNICO DERROTADO DA NOITE SOU EU"

O candidato do PS à Câmara de Matosinhos, António Parada, assumiu pessoalmente a derrota nas eleições autárquicas, ao perder um bastião socialista com 37 anos, considerando que "ganhou o PS nacional porque defendeu a democracia".

Com esta derrota assumida pelo PS, o presidente da Câmara de Matosinhos Guilherme Pinto é reeleito para um terceiro mandato à frente da autarquia, tendo nestas eleições concorrido como independente depois de se ter desfiliado do PS na sequência da escolha de António Parada como candidato.

"Foi um projeto do PS em que todos vós, que participaram nesta campanha eleitoral, ganharam. O único derrotado da noite sou eu. Ao que indica, o PS perde as eleições em Matosinhos, embora não estejam apurados os resultados finais", disse António Parada numa declaração na sede do PS.

Na opinião de Parada, "ganhou o PS nacional porque defendeu a democracia" e "ganharam os militantes de Matosinhos porque escolheram num processo democrático".

"Os cidadãos entenderam não me dar essa confiança", lamentou, felicitando os "vencedores e aqueles que perderam".

António Parada garante que estará no concelho "completamente disponível para defender Matosinhos" até ao limite das suas forças.

O candidato derrotado garante que "nada será como antes", considerando que os matosinhenses foram "induzidos em erro" pelas "promessas do poder", em desespero "pela fome e pela miséria" que se vive em Matosinhos e acusando ainda "a outra candidatura" de ter "enganado" os eleitores.

"Valeu a pena. Contem comigo para travar os próximos combates em nome do PS, para derrotar estes independentes falsos que iludiram os pobres e os mais carenciados com promessas que não vão realizar", acusou. 

21H33 - PATROCÍNIO AZEVEDO: VITÓRIA DE EDUARDO RODRIGUES EM GAIA "PREMEIA CAMPANHA PELA POSITIVA"

O porta-voz da candidatura do PS à Câmara de Gaia, Patrocínio Azevedo, considerou que a vitória de Eduardo Vítor Rodrigues foi um "prémio" para uma campanha eleitoral feita "pela positiva e sem atacar ninguém".

"O PS há 16 anos que está fora do poder municipal e este é um novo PS. Hoje o que se traduz, a confirmarem-se as projeções, é aquilo que sentimos na rua durante a campanha eleitoral. Fizemos uma campanha pela positiva e sem atacar ninguém. Uma campanha em que apresentámos os nossos projetos com realismo e os gaienses perceberam isso", disse o porta-vos da candidatura socialista.

Patrocínio Azevedo adjetivou o apoio dos gaienses como "uma onda silenciosa" que aconteceu "em crescendo" e remeteu para mais tarde uma declaração por parte de Eduardo Vítor Rodrigues, que ainda não tinha chegado à sede de candidatura, na avenida da República, em Gaia.

As primeiras projeções avançadas pelas televisões nacionais que dão como vencedor o PS, de Eduardo Vítor Rodrigues, seguindo-se o independente José Guilherme Aguiar e em terceiro lugar a lista PSD/CDS-PP, de Carlos Abreu Amorim.

21H06 - FERNANDO SEARA: "RESPONSABILIDADE DA DERROTA É EXCLUSIVAMENTE MINHA"

O candidato da coligação ‘Sentir Lisboa’ à Câmara Municipal, Fernando Seara, assumiu a derrota nas eleições autárquicas, frisando que a responsabilidade é "inteiramente" sua.

"A responsabilidade é exclusivamente minha, fui eu que falhei. Assumo a responsabilidade. Quando se perde perde-se sozinho, quando se ganha, ganham todos. Não transfiro responsabilidades para ninguém", disse Fernando Seara.

Rodeado por outros candidatos da sua lista à Câmara e à Assembleia Municipal, o candidato da coligação PSD/CDS-PP/MPT afirmou que a "democracia é isto mesmo" e há que "saber perder". 

21H00 - MENEZES ASSUME DERROTA NO PORTO

O candidato do PSD/PPM/MPT à Câmara do Porto, Luís Filipe Menezes, assumiu a derrota na cidade e pediu união em torno do vencedor, Rui Moreira.

"Eu não estou habituado a perder, é a primeira vez que perco", afirmou Menezes na sede da sua candidatura, que sublinhou que a derrota é "exclusivamente" sua e não do PSD.

O social-democrata afirmou que todos se devem "unir à volta do presidente eleito".

A sede de candidatura, em Santa Catarina, esteve tomada por jornalistas até as 20h45, hora a que chegou o candidato Luís Filipe Menezes para o seu discurso de derrota.

A comitiva de apoiantes esperou pelos resultados a poucos metros da sede, no Grande Hotel do Porto e gritou 'Menezes, Menezes" à sua chegada.

Além de Menezes (PSD/MPT/PPM), concorriam à Câmara do Porto Rui Moreira (independente), Manuel Pizarro (PS), Pedro Carvalho (CDU), José Soeiro (BE), Nuno Cardoso (independente), José Carlos Santos (PCTP/MRPP) e José Manuel Costa Pereira (PTP).

20H58 - MARCO ANTÓNIO COSTA: "É AINDA MUITO CEDO PARA LEITURAS FINAIS"

O porta-voz do PSD, Marco António Costa, considerou que é cedo para fazer "leituras finais" das eleições autárquicas e afirmou que os sociais-democratas aguardarão "com serenidade" o apuramento dos resultados eleitorais.

Esta posição foi transmitida numa declaração aos jornalistas, feita na sede nacional do PSD, em Lisboa, na qual Marco António Costa não comentou as projeções de resultados divulgadas a partir das 20h00 pelas televisões.

"É ainda muito cedo para fazermos leituras finais desta noite eleitoral. E, portanto, aguardaremos com serenidade o apuramento dos resultados oficiais", afirmou o coordenador e porta-voz da direção nacional do PSD.

Antes, Marco António Costa congratulou-se a forma como decorreu o ato eleitoral de hoje, saudou os cidadãos que exerceram o seu direito de voto e agradeceu aos candidatos do PSD, à estrutura de coordenação autárquica social-democrata e aos antigos líderes do partido que participaram na campanha para estas eleições. 

20H56 - HELENA ROSETA: "FREGUESIAS VÃO TER MAIS MEIOS"
(jornalista: Pedro H. Gonçalves)

Helena Roseta prometeu "mais meios e mais recursos" as freguesias de Lisboa para que em conjunto com a Câmara possam "resolver os problemas de Lisboa".

A arquiteta, que encabeçava a lista de António Costa para liderar a assembleia municipal, defendeu esta noite de domingo que a vitória com maioria absoluta na capital deve ser um exemplo para os partidos, uma vez que se tratou "de uma vitória do PS Mais". O autarca socialista integrou nas suas listas vários membros de movimentos participativos e cívicos. 

Para a ainda vereadora de Lisboa, "António Costa é o grande protagonista desta noite na capital" mas defende que os resultados "não se conseguem apenas numa noite: começaram a ser desenhados há quatro anos".

Helena Roseta defende ainda que deve ser feita uma leitura nacional das vitória socialista na capital, numa altura em que as contagens de freguesias apontam para que o PS bata o PSD em número de câmaras conquistadas.

20H54 - ISABEL MOREIRA: "DERROTA ASSINALÁVEL DE SEARA" 
(jornalista: Pedro H. Gonçalves)

A deputada socialista Isabel Moreira diz ao CM que a vitória "esmagadora" de António Costa em Lisboa e a "derrota assinalável de Seara" é um motivo para o Governo refletir. "Em quatro concelhos importantes, como Lisboa, Sintra, Porto e Gaia", as projeções apontam para a derrota do PSD. "Todos os partidos têm de fazer uma análise mais aprofundada", sobre estes resultados, afirmou a socialista.

Para Isabel Moreira, que veio dar os parabéns a António Costa depois de terem sidos conhecidos os primeiros indicadores que dão uma maioria absoluta acima dos 50 por cento ao autarca de Lisboa, apesar do Governo "merecer uma penalização maior", Pedro Passos Coelho "tem de fazer uma leitura destes resultados".

Sobre a possibilidade da vitória de António Costa por em causa a liderança de Seguro no PS, a deputada é categórica: "não acredito em teorias da conspiração".

20H50 - CANCELA MOURA AFIRMA QUE CANDIDATO INDEPENDENTE "OFERECEU" VITÓRIA AO PS EM GAIA

O porta-voz da coligação PSD/CDS-PP à Câmara de Gaia, Cancela Moura, reagiu de forma breve às projeções das televisões portuguesas considerando que foi o candidato independente, Guilherme Aguiar, que "ofereceu" a vitória ao PS.

"Estamos a falar com base em projeções. Mas a confirmar-se este resultado, consideramos que a candidatura independente de José Guilherme Aguiar ofereceu a vitória ao Partido Socialista", disse Cancela Moura.

O porta-voz da candidatura ‘Gaia na frente', liderada por Carlos Abreu Amorim, reagiu logo após as primeiras projeções avançadas pelas televisões nacionais que dão como vencedor o PS, de Eduardo Vítor Rodrigues, seguindo-se o independente José Guilherme Aguiar e em terceiro lugar a lista PSD/CDS-PP.

20H42 - JOÃO FERREIRA DIZ QUE CDU "ALCANÇOU OBJETIVO" EM LISBOA

O cabeça de lista da Coligação Democrática Unitária (CDU) nas eleições autárquicas em Lisboa, João Ferreira, anteviu o "objetivo alcançado", com o previsível aumento da percentagem de votos na capital.

"Estamos perante projeções ainda. Temos de aguardar pelos resultados, tanto mais que estas projeções nos apontam para intervalos ainda relativamente grandes. Em todo o caso, se olharmos aos limites inferiores apresentados, em qualquer circunstância a CDU subirá em percentagem. Era um objetivo que tínhamos e foi alcançado, o que confirma o muito bom acolhimento que sentimos durante a campanha e terá expressão num reforço da CDU em Lisboa", afirmou João Ferreira.

Por outro lado, o deputado europeu, questionado sobre se vai deixar Bruxelas, negou tal cenário, afirmando que assumirá, de qualquer forma, o posto de vereador em Lisboa, numa primeira reação no centro de trabalho Vitória, na avenida da Liberdade, ainda com um ambiente muito calmo, quer dentro quer fora de portas, enquanto a chuva não dá tréguas.

A única manifestação de regozijo até agora pelas centenas de militantes presentes aconteceu por volta das 20h25, quando foram conhecidas algumas freguesias apuradas nos distritos de Évora e Beja, alvos preferenciais da coligação.

"A CDU assumirá todas as responsabilidades que os lisboetas lhe queiram confiar, no plano coletivo e individual", continuou, comentando também que, a confirmar-se a maioria absoluta do atual presidente da autarquia "é mau para a cidade".

20H41 - CANDIDATURA DE MANUEL PIZARRO AO PORTO "AQUÉM DOS OBJETIVOS"

Augusto Santos Silva, da direção de campanha do candidato do PS à Câmara do Porto, admitiu que as projeções que colocam Manuel Pizarro em terceiro lugar na corrida autárquica deixam a candidatura "aquém dos objetivos".

"A verificarem-se as projeções, a candidatura do PS ficou aquém dos objetivos a que se propôs. O nosso objetivo era apenas um: ganhar a Câmara do Porto", começou por afirmar Santos Silva na sede de candidatura de Pizarro, na Avenida dos Aliados.

Na primeira reação do PS às sondagens que apontam o independente Rui Moreira como o novo presidente da Câmara do Porto, Santos Silva alertou que ainda "falta apurar os votos" para depois comentar os resultados que "merecem outra confiança".

Foi apenas esta a declaração que arrancou aplausos da plateia de apoiantes socialistas, já que a resposta à indicação de vitória de Rui Moreira foi o silêncio.

Santos Silva, um dos redatores do programa eleitoral de Manuel Pizarro, saudou ainda o "elevado nível de participação [nas eleições] relativamente ao padrão a que estávamos habituados a ter nas autárquicas" e aplaudiu a "lição de civismo do povo".

O socialista saudou ainda "todas as centenas e milhares de candidatos e todas as candidaturas que se apresentaram no Porto sem exceção".

20H35 - JOÃO GONÇALVES PEREIRA: "A CNE FEZ UM BOICOTE GERAL"
(jornalistas: Sónia Trigueirão/Anibal Rebelo)

João Gonçalves Pereira, presidente da concelhia do CDS-PP em Lisboa, acusou a Comissão Nacional de Eleições (CNE) de boicotar as eleições.

 

"Foi uma campanha dificil", disse, salientando que vão assumir o lugar da oposição e que esperava que António Costa cumprisse o seu mandato até ao fim. "Foi uma maioria expressiva", afirmou ao comentar o facto das projeções darem uma vantagem ao candidato socialista. Fernando Seara deverá falar daqui a poucos minutos.

20H33 - SOLHEIRO: PROJEÇÕES DÃO VITÓRIA INDISCUTÍVEL DO PS
(jornalista: Cristina Rita)

Rui Solheiro, membro do secretariado nacional e presidente dos autarcas socialistas, considerou este domingo que as projeções revelam "indiscutivelmente uma vitória do PS".

Na primeira reação na sede do PS, depois de um cumprimento de supresa do líder do partido aos jornalistas pelas 18h30, Solheiro avisou que o PSD é o derrotado da noite.

Frisando sempre que estava a falar em projeções, Solheiro lembrou que o PSD perde os quatro principais municípios do País.

A sede do PS não está cheia, mas chegou, entretanto, Almeida Santos, presidente honorário do partido.

20H18 - MAURO XAVIER: "ASSUMIMOS A DERROTA"
(jornalistas: Sónia Trigueirão/Anibal Rebelo)

Coube a Mauro Xavier, presidente da concelhia do PSD em Lisboa, assumir a derrota na sede de campanha de Fernando Seara. Mauro Xavier começou por dizer: "Assumimos a derrota" e garantiu que a coligação estava pronta para assumir o seu papel durante quatro anos.

Sobre a eventual maioria de António Costa, o social-democrata referiu que esperava que assumisse realmente o seu mandato durante quatro anos. Pois o facto de fazer a sua declaração no Hotel Altis fazia parecer que está a olhar para o Largo do Rato.

Sobre a campanha eleitoral, Mauro Xavier referiu que a coligação esteve impedida de fazer campanha durante muito tempo e que a "lei da rolha não permitiu que chegassem a todos os lisboetas".

20H12 - TERESA LEAL COELHO RECUSA IMPLICAÇÕES PARA O GOVERNO

(jornalistas: Sónia Trigueirão/Anibal Rebelo)

Teresa Leal Coelho, número dois à Câmara de Lisboa, chegou à sede de campanha de Fernando Seara faltavam dez minutos para as 20 horas. Sublinhou que estas são eleições autárquicas e que os seus resultados não se podem " extrapular no plano nacional e que não quer dizer que tenha implicações no mandato do Governo".

20h11 - ANTÓNIO COSTA CONQUISTA CAPITAL COM MAIORIA ABSOLUTA

(jornalista: Pedro H. Gonçalves)

O socialista Duarte Cordeiro, numa primeira reação que dá a maioria absoluta a António Costa na Câmara de Lisboa, fez questão de realçar que "é a primeira vez em vinte anos que um autarca é eleito pela terceira vez" na capital.

As primeiras sondagens apontam para que António Costa tenha conquistado cerca de 50 por cento dos votos na capital. "Resultado expressivo", como classificou o chefe de campanha de António Costa, esta noite de domingo no hotel Altis, que está a servir de sede de campanha ao autarca lisboeta.

Ainda não há indicação de quando falará António Costa, com fontes da campanha a garantirem apenas que acontecerá quando se confirmarem estes indicadores.

19H28 - PROA AFIRMA QUE NÃO SE PODEM TIRAR CONCLUSÕES A NÍVEIS NACIONAIS
(jornalista: Sónia Trigueirão/ Aníbal Rebelo)

António Proa, número dois da lista de Fernando Seara à Câmara de Lisboa, diz que não se podem tirar conclusões em termos nacionais destas eleições. Proa diz que isso seria relegar para segundo plano os candidatos às autarquias.

19H08 - CARLOS BARBOSA: "ANTÓNIO COSTA SÓ FEZ PORCARIA EM LISBOA"
(jornalista: Sónia Trigueirão/ Aníbal Rebelo)

O número dois da lista de Fernando Seara à Assembleia Municipal de Lisboa, Carlos Barbosa, presidente do Autómovel Clube de Portugal (ACP), chegou à sede de campanha por volta das 19 horas. Carlos Barbosa afirmou que se "os portugueses votarem em António Costa é porque estão a dormir". "António Costa só fez porcaria em Lisboa", disse, referindo como exemplo a quantidade de buracos.

18H37 - LUÍS DUQUE CHEGA À SEDE DO PSD SEM PRESTAR DECLARAÇÕES
(jornalista: Sónia Trigueirão/ Aníbal Rebelo) 

O número oito da lista de Fernando Seara, Luís Duque, que ficou conhecido pela sua passagem pela Sporting SAD, onde foi presidente do Conselho de Administração e mais tarde administrador, chegou à sede de campanha por volta das 18h15 e não quis prestar qualquer declaração.

Luís Duque candidata-se à câmara municipal de Lisboa, na lista de Fernando Seara, como independente.

Fernando Seara, entretanto, saiu do seu gabinete e veio cumprimentar os jornalistas que estão a fazer a cobertura aos resultados das eleições na sua sede de campanha.

Foi um cumprimento rápido e bem disposto. Na sede ainda não estão muitos apoiantes. O próprio cabeça de lista chegou mais cedo do que o previsto.

18H32 - COSTA QUER QUE PASSOS FAÇA LEITURA NACIONAL DAS AUTÁRQUICAS
(jornalista: Pedro H. Gonçalves)

O candidato do PS à câmara de Lisboa, que procura a reeleição para um terceiro mandato, chegou por voltas das 18h15 ao hotel Altis, em Lisboa, que vai servir de sede de campanha nesta noite eleitoral.

António Costa deixou ainda um recado a Passos Coelho: "Nunca vi um partido não tirar ilações nacionais de umas autárquicas".

António Costa queixou-se da fraca cobertura mediática das ações de campanha autárquica, o que pode ter efeitos no momento de votar. "O cidadão não teve conhecimento das ideias do candidato e até pode não ir votar por desânimo". O socialista culpa contudo a Comissão Nacional de Eleições (CNE) pela situação uma vez que "a lei é a mesma há anos".

O autarca de Lisboa está agora num dos quartos do Altis, onde aguardará pelos resultados das eleições, tendo deixado uma garantia "Espero que o PS ganhe, é o que toda a gente espera"

18H14 - SEARA: "FICAREI EM LISBOA SEJA QUAL FOR O RESULTADO" 
(jornalistas: Sónia Trigueirão/ Aníbal Rebelo)

Já na sua sede de campanha, em Lisboa, Fernando Seara garantiu que não é candidato ao Parlamento Europeu e que seja qual for o resultado destas eleições ficará em Lisboa. "Ficarei em Lisboa mesmo se for eleito vereador", referiu.

O candidato do PSD teceu ainda algumas críticas à forma como decorreu a cobertura da campanha eleitoral nestas autárquicas: "Foi uma campanha privada, exclusivamente urbana", disse, admitindo que este pode ter sido um condicionante da sua campanha.

Fernando Seara foi o primeiro a chegar à sede de campanha no número 6 da Rua Ivone Silva, em Lisboa. Chegou uma hora mais cedo do que estava previsto.

fernando seara eleições autárquicas lisboa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)