Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Morreu pai que tentou salvar filho dos escombros após explosão em prédio de Lisboa

Gastão Reis, músico da banda Zarco, foi a primeira vítima mortal da explosão.
Lusa, Cláudia Machado, T.L. e D.S. 28 de Dezembro de 2020 às 18:11
Prédio desaba após explosão no centro de Lisboa
Gastão Reis era o baixista da banda Zarco
Gastão Reis tinha 24 anos e era músico
Gastão Reis (à esquerda) era o baixista da banda Zarco
Prédio desaba após explosão no centro de Lisboa
Gastão Reis era o baixista da banda Zarco
Gastão Reis tinha 24 anos e era músico
Gastão Reis (à esquerda) era o baixista da banda Zarco
Prédio desaba após explosão no centro de Lisboa
Gastão Reis era o baixista da banda Zarco
Gastão Reis tinha 24 anos e era músico
Gastão Reis (à esquerda) era o baixista da banda Zarco
O Centro Hospitalar de Lisboa Central confirmou esta segunda-feira, à Lusa, a morte do ferido grave da explosão de um prédio em Lisboa, ocorrida no dia 23 de dezembro.

O homem, dado como ferido grave e hospitalizado desde o dia da explosão, era o pai do jovem de 24 anos que foi encontrado sem vida nos escombros do edifício. 

Recorde que a violenta explosão, aparentemente causada por uma fuga de gás, levou ao desabamento de um prédio de quatro andares na rua de Santa Marta, Lisboa, a 20 de dezembro. O incêndio que se seguiu foi combatido por dezenas de bombeiros, causando quatro feridos. 

Os sete moradores desalojados após a explosão de um prédio em Lisboa, há oito dias, que causou duas mortes, não pediram ajuda para encontrarem habitação, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte do município, adiantando que utilizaram "meios próprios".

De acordo com a autarquia, os moradores não manifestaram junto da Câmara de Lisboa a necessidade de lhes serem providenciados meios alternativos de habitação.

"Os moradores disseram que tinham alternativa pelos seus próprios meios", acrescentou a fonte.

Corpo de músico que morreu em desabamento de prédio em Lisboa estava nas traseiras
O cenário de destruição antevia o pior dos cenários, que se confirmou esta segunda-feira de madrugada. O corpo do músico e compositor Gastão Reis, de 24 anos, foi encontrado debaixo dos destroços do prédio que explodiu e desabou no domingo de manhã, na rua de Santa Marta, em Lisboa. O cadáver foi localizado pelos Sapadores, “na parte de trás do edifício”, avançou Carlos Castro, vereador da Proteção Civil da Câmara de Lisboa.

Foram precisas mais de 19 horas para desmontar, em segurança, os vários pisos que colapsaram sobre o jovem, que vivia no 1º andar com a irmã e o pai, o advogado José Diogo Pereira dos Reis, de 62 anos, que sofreu graves queimaduras e continuava esta segunda-feira internado em estado grave no Hospital de S. José. A irmã de Gastão não estava em casa.

O caso está agora nas mãos da Polícia Judiciária, que investiga a origem da explosão, que provocou o incêndio e o desabamento. As diligências necessárias estão dependentes, no entanto, da segurança da estrutura. Ainda assim, uma hipótese já foi levantada por Carlos Castro. “Ainda não sabemos qual foi a causa da explosão, mas tudo indica que é de gás. Não temos certezas absolutas”, voltou a afirmar o vereador.

Gastão Reis integrou como baixista a banda Zarco, ligada à editora Cuca Monga, que esta segunda-feira recordou o “incalculável talento” do artista. “Nunca será esquecido”, concluiu a companhia discográfica. 

Mais de 40 pessoas retiradas de casa
A Proteção Civil municipal de Lisboa fez esta segunda-feira uma nova vistoria aos edifícios adjacentes ao prédio, para que os últimos moradores desalojados possam regressar às suas casas. O desabamento do número 41 da rua de Santa Marta obrigou à retirada de mais de 40 pessoas dos prédios vizinhos, sendo que 34 puderam regressar às habitações ainda durante a noite de domingo.

Treze pessoas foram alojadas durante a noite, com o apoio das autoridades, que esta segunda-feira prosseguiram os trabalhos de limpeza. A explosão fez quatro feridos ligeiros, moradores do edifício, que tiveram alta no próprio dia.

Lisboa PSP Lusa Rua de Santa Marta números 41/42 questões sociais acidentes e desastres
Ver comentários