Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Portugal aciona proteção consular para condutor da carrinha

Carros funerários já estão de regresso ao País.
29 de Março de 2016 às 08:22
Trasladação dos corpos começou esta terça-feira
Trasladação dos corpos começou esta terça-feira FOTO: CMTV
O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas afirmou esta terça-feira que Portugal acionou a proteção consular para o condutor da carrinha envolvida no acidente que matou 12 emigrantes portugueses na semana passada, em França.

"Hoje acionámos a proteção consular para o condutor e um seu familiar, que vinha numa segunda viatura, o que significa que a partir deste momento os serviços consulares acompanham presencialmente e em termos jurídicos e administrativos tudo o que são diligências do foro jurisdicional", disse José Luís Carneiro.

Em declarações à Lusa a partir de Moulin, após a partida de sete carrinhas funerárias com os corpos dos 12 portugueses, o governante disse que o condutor e um seu familiar vão ser ouvidos pelas autoridades "a partir de hoje" e que as autoridades inclinam-se para a ideia de que houve uma manobra perigosa, resultante de uma ultrapassagem a um ou mais veículos.

"Não tenho conhecimento das conclusões do inquériro mas as informações apontam no sentido de poder ter existido uma manobra perigosa. Vamos aguardar pelas conclusões do relatório e apuramento das circunstâncias e eventuais responsabilidade", vincou o secretário de Estado, escusando-se a adiantar mais pomenores.

Questionado sobre o estado do condutor, que está num hospital local com um pulso partido e em choque com o acidente, e de um familiar, José Luís Carneiro respondeu: "A informação de que dispomos é que são ouvidos a partir de hoje, não posso dar mais informações para salvaguarda das pessoas e também das condições de inquérito, foi isto que dialoguei hoje com as autoridades policiais e francesas", disse José Luís Carneiro.

Sobre o tema das condições das viagens de emigrantes de e para Portugal, e sobre as notícias que têm saído sobre a falta de segurança destes transportes, José Luís Carneiro descartou a possibilidade de as autoridades portuguesas lançarem qualquer iniciativa sobre o tema antes da conclusão da investigação em curso pela polícia francesa, mas lembrou que as leis são para cumprir.

"Temos de aguardar as conclusões das averiguações das autoridades francesas e apuramento de responsabilidades e circunstâncias; sempre que sejam detetadas essas circunstâncias, devem comunicar às autoridades para avaliar e averiguar responsabilidades, e aplicar a lei", disse Carneiro, lembrando que a prevenção rodoviária não faz parte das competências da secretaria de Estado das Comunidades.

"O que é possível fazer-se, como aliás tem vindo a ser feito, é apostar em campanhas de informação e sensibilização para que cada cidadão que desenvolve atividade profissional no estrangeiro o possa fazer no cumprimento da legalidade", vincou.

O governante sublinhou também a necessidade de os portugueses avisarem as autoridades consulares das viagens para o estrangeiro e para consultarem os avisos do portal das comunidades portuguesas para que seja possível às autoridades ajudarem mais facilmente em caso de necessidade.

Decorre trasladação dos corpos para Portugal
A trasladação dos corpos dos 12 portugueses que morreram quinta-feira num acidente rodoviário em França já está a decorrer.

Os corpos serão transportados em oito carros funerários, segundo a vontade da família. Está previsto que os sete carros cheguem à fronteira de Vilar Formoso por volta da meia-noite, seguindo depois cada veículo para a terra de residência em Portugal de cada uma das vítimas, quase todas do norte do país.

As 12 vítimas, com idades entre os 7 e os 62 anos, morreram na sequência de um choque frontal entre a carrinha ligeira de passageiros em que seguiam e um veículo pesado. O veículo em que seguiam os portugueses saiu da Suíça por volta das 21h00 de quinta-feira e tinha como destino Portugal.

O condutor da carrinha envolvida no acidente, de 19 anos, também português e o úncio sobrevivente do acidente, continua hospitalizado numa unidade psiquiátrica e ainda não foi ouvido pelas autoridades.

O condutor sofreu uma fratura num pulso e é o único sobrevivente entre os ocupantes da carrinha envolvida no acidente, que ocorreu cerca das 23h45 de quinta-feira passsda na estrada nacional N79, perto da cidade francesa de Lyon, na localidade de Moulins.

Entretanto, a Liberty Seguros anunciou segunda-feira que assegura a trasladação para Portugal dos corpos dos 12 cidadãos portugueses invocando que a decisão se deveu a "razões de natureza puramente humanitária e de respeito profundo pela dor dos familiares e amigos das vítimas".
Covilhã Portugal França
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)