Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Guimarães: falta de dinheiro na origem do crime

Poliana terá dito que pretendia terminar a relação.
Secundino Cunha 8 de Março de 2016 às 04:19
Miguel Martins confessou crime.
O meu dinheiro acabou-se e ela decidiu pôr fim ao namoro." Foi esta a explicação que Miguel Martins, de 36 anos, deu ao juiz de instrução criminal do Tribunal de Guimarães, para o início da discussão que terminou em homicídio, na madrugada de sábado.

No interrogatório de quase seis horas, ontem à tarde, o autor confesso do homicídio de Poliana Alves Ribeiro, uma brasileira de 34 anos que se dedicava à prostituição, disse que não se apercebeu da morte da companheira e que, logo que recebeu um telefonema a dizer que a mulher tinha morrido, entregou-se à Polícia.
Miguel Martins mantinha, há mais de um ano, um relacionamento amoroso com Poliana e residia no bordel onde esta trabalhava, na rua da Caldeirôa, no centro histórico de Guimarães – onde ocorreu o crime.

A discussão começou na noite de sexta-feira e prolongou-se pela madrugada de sábado. No confronto físico, Miguel apertou o pescoço de Poliana, obstruindo-lhe a traqueia e provocando-lhe a morte. Ao que o Correio da Manhã apurou, o corpo da vítima não apresentava outros sinais de violência, além de algumas marcas ligeiras no pescoço.

Quando se entregou à PSP, Miguel admitiu ter matado a mulher, versão que confirmou depois à Polícia Judiciária de Braga e, ontem, ao juiz de instrução criminal de Guimarães.

Miguel Martins vai agora aguardar julgamento em prisão preventiva, no Estabelecimento Prisional de Braga.

Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)