Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Mercenário português implica político em morte de autarca

Homem de 41 anos acusou espanhol de ser o mandante do homicídio do autarca Alejandro Ponsoda, executado em outubro de 2017.
Sérgio A. Vitorino 13 de Fevereiro de 2020 às 09:14
Jornalistas estavam sequestrados desde julho do ano passado
Jornalistas estavam sequestrados desde julho do ano passado FOTO: Darren Staples/Reuters
Um português de 41 anos, que foi mercenário ao serviço de governos e rebeldes na Costa do Marfim, África do Sul, Moçambique e Libéria, acusou, no Tribunal de Alicante, um político espanhol de ser o mandante do homicídio do autarca Alejandro Ponsoda, executado em outubro de 2017, em Polop, Espanha.

Protegido por um biombo para manter a identidade oculta, o português garantiu que Juan Cano, também político do Partido Popular espanhol e que sucedeu à vítima no cargo, ofereceu 35 mil euros para o serviço.

Na altura, o ex-mercenário era porteiro numa discoteca em Benidorm e rejeitou a proposta, mas recomendou dois homens para executar o homicídio.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)