Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Médica agredida e roubada na rua por duas mulheres

Levaram mala térmica com comida e outra com o estetoscópio, no Porto.
Nelson Rodrigues 15 de Março de 2018 às 01:30
Dupla feminina de assaltantes encontra-se presa preventivamente e está a ser julgada no Tribunal de S. João Novo
O ‘DigiScope’
No caso do município de Vila Franca de Xira, 44.300 utentes não têm médico de família
Dupla feminina de assaltantes encontra-se presa preventivamente e está a ser julgada no Tribunal de S. João Novo
O ‘DigiScope’
No caso do município de Vila Franca de Xira, 44.300 utentes não têm médico de família
Dupla feminina de assaltantes encontra-se presa preventivamente e está a ser julgada no Tribunal de S. João Novo
O ‘DigiScope’
No caso do município de Vila Franca de Xira, 44.300 utentes não têm médico de família
A médica seguia a pé na rua do Campo Alegre, no Porto, quando foi atacada pelas duas mulheres, em julho do ano passado. Enquanto uma lhe desferiu uma forte pancada na cabeça, a outra roubou-lhe as malas que carregava - uma com material clínico como um estetoscópio, vinhetas de receitas e o cartão da Ordem dos Médicos; a outra, térmica, onde estava guardado o almoço da vítima. As arguidas começaram ontem a ser julgadas no tribunal de São João Novo.

Catarina da Conceição e Ana Raquel Lemos, que estão em prisão preventiva na cadeia de Santa Cruz do Bispo, Matosinhos, admitiram ter cometido o roubo. "Estávamos no carro com o meu namorado e ele disse: ‘Olha ali aquela mulher sozinha’. E eu fui lá com a Raquel. Ela bateu-lhe na cabeça e eu fugi com as malas", disse Catarina, de 43 anos, aos juízes. Depois de terem comido e comprado droga, as duas mulheres e um outro arguido foram abastecer o carro em que seguiam com 40 €, mas não pagaram.

Além do crime de roubo agravado, respondem também por furto e resistência e coação sob funcionário, já que, quando foram detidas, em Gaia, a 26 de julho, injuriaram e ameaçaram agredir os agentes da PSP com um paralelo.

Catarina da Conceição está também a ser julgada por roubar uma estudante com um canivete, a 23 de julho do ano passado, no centro de Viseu. "Senti a ponta da navalha no meu abdómen", referiu a vítima. Já a arguida assegura que não apontou a arma. "Só lha mostrei", explicou ao coletivo.
almoço médica assalto roubo comida mala térmica estetoscópio Campo Alegre Porto
Ver comentários