Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

"O meu crime foi apaixonar-me"

Elsa Barata responsabiliza companheiro, que já morreu.
Mónica Ferreira 13 de Novembro de 2015 às 09:02
Elsa Barata e o filho Pedro  Santos negaram esta quinta-feira os crimes de burla que lhes são imputados
Elsa Barata e o filho Pedro Santos negaram esta quinta-feira os crimes de burla que lhes são imputados FOTO: DR
"O meu maior crime foi ter-me apaixonado perdidamente aos 43 anos", começou na quinta-feira por dizer, no Tribunal de Penafiel, Elsa Barata, a advogada de 51 anos, de Lisboa, que é acusada de, juntamente com o namorado – que morreu entretanto – e o filho, ter burlado dezenas de pessoas. Responde por 24 crimes de burla e 20 de falsificação de documentos, com lesados de todo o País, de 2009 a 2011.

Após colocação de anúncios no jornal, prometendo crédito fácil concedido por financeiras americanas, pediam às vítimas um pagamento prévio para supostas despesas com a abertura do processo. Já na posse do dinheiro, deixavam de estar contactáveis. Elsa Barata e o filho Pedro Santos, de 27 anos, negaram na quinta-feira conhecer o esquema e atiram as culpas para Sérgio Chita, falecido.

"Sabia que ele trabalhava com créditos, mas eu nunca participei ativamente em qualquer burla", afirmou a advogada, acrescentando que era "controlada pelo Sérgio 24 horas por dia". Pedro admitiu que o dinheiro caía na sua conta. "Pensava que era trabalho", justificou. Os dois estão na prisão.
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)