Sindicato quer dar nome de guarda morta a carreira de tiro

Carla Amorim, de 32 anos, morreu atingida por um disparo acidental num treino anual de tiro, a 6 de novembro.
Por M.C.|26.11.18
O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional quer que a carreira de tiro onde a guarda Carla Amorim, de 32 anos, morreu atingida por um disparo acidental num treino anual de tiro, a 6 de novembro, tenha o nome da vítima e que no local seja construído um mural em memória.

"Para que, quando estivermos na carreira de tiro, não sintamos que estamos num espaço de tristeza vimos solicitar que tenha o nome da nossa amiga", pode ler-se num memorando do sindicato enviado à Direção-Geral dos Serviços Prisionais.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!