Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Torres Vedras recusa suspender mandato a autarca condenado por plágio em tese de doutoramento

Carlos Bernardes foi condenado a 500 dias de multa à taxa diária de 10 euros, num montante global de 5000 euros.
Lusa 4 de Março de 2020 às 11:39
Carlos Bernardes
Carlos Bernardes
Carlos Bernardes
Carlos Bernardes
Carlos Bernardes
Carlos Bernardes
A Assembleia Municipal de Torres Vedras decidiu esta quarta-feira, através de voto secreto, não suspender o mandato do presidente da câmara (PS), condenado por plágio na sua tese de doutoramento, como recomendava o PSD.

A moção/recomendação do PSD a pedir a suspensão do mandato de Carlos Bernardes até a sentença transitar em julgado foi chumbada com 27 votos contra, 12 a favor e uma abstenção.

Segundo o documento dos sociais-democratas, "há uma contaminação clara e indesmentível da prática deste crime por parte do cidadão Carlos Bernardes com o exercício do seu cargo de presidente de câmara municipal", e o autarca tem sido notícia "exatamente por se tratar do presidente de câmara".

Para o PSD, está em causa a autoridade e a credibilidade do socialista.

Na sessão, Pedro Castelo (CDS-PP) alegou que "não está só em causa a imagem do cidadão, mas a imagem do presidente da câmara", e que o caso "lesa o município", no distrito de Lisboa.

João Rodrigues (BE) considerou que os factos agora provados "não dignificam" Carlos Bernardes, "nem o cargo que ocupa", e questionou o PS sobre "se mantém ou não a confiança política" no autarca, mas não obteve resposta.

Para Sérgio Jacinto, do Movimento Independente Torres nas Linhas, "não resta outra solução do que suspender o mandato até provar que, neste caso, está inocente", enquanto a decisão não transitar em julgado.

Pela CDU, Teresa Oliveira considerou que "mais do que a condenação ética, importa a política no concelho".

Na bancada do PS, Jacinto Leandro, ex-presidente da câmara, acusou o PSD de querer criar confusão, explicando que o caso do plágio "é do foro pessoal e académico" de Carlos Bernardes e não deste enquanto autarca, cabendo aos eleitores penalizá-lo ou não em futuras eleições.

António Carneiro, também do grupo socialista, disse que Carlos Bernardes deve ser considerado inocente até a sentença transitar em julgado e que o autarca deve manter-se no cargo, independentemente da decisão definitiva.

Rita Sammer (PSD) sinalizou que "a tentativa de desligar o assunto não colhe", lembrando que foi o próprio presidente da câmara que "promoveu o facto de estar a fazer o seu doutoramento".

Carlos Bernardes foi condenado a 500 dias de multa à taxa diária de 10 euros, num montante global de 5.000 euros, pelo crime de contrafação na tese de doutoramento.

Ao ler a sentença, a juíza disse que "o tribunal deu como provados todos os factos" da acusação, depois de recorrer a um programa informático que comparou a tese com os textos originais.

À saída do tribunal, o advogado do autarca, Fernando Pratas, disse que vai recorrer da decisão.

Sobre a retirada do título académico, Fernando Pratas esclareceu que esse processo administrativo "estará suspenso" enquanto o processo de acusação pelo crime de contrafação não transitar em julgado e não for definitivo, esgotando todas as possibilidades de recurso.

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu em 28 de outubro levar o autarca a julgamento.

Em abril de 2019, o Ministério Público (MP) acusou-o de contrafação, por alegado plágio de 40 textos originais na sua tese de doutoramento "As linhas de Torres, um destino turístico estratégico para Portugal", que foi defendida em dezembro de 2015 e obteve aprovação pelo júri.

As suspeitas de plágio, inicialmente denunciadas num artigo de opinião pelo ex-vereador da câmara Jorge Ralha no jornal Badaladas, foram comunicadas por três pessoas ao MP, que, em fevereiro de 2017, abriu um inquérito.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)