Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Tribunal de Leiria julga advogada acusada de burla qualificada

Entre agosto de 2007 e outubro de 2010, a arguida recebeu créditos no valor de 5,5 milhões de euros.
Lusa 28 de Novembro de 2017 às 16:54
Tribunal de Leiria
Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Tribunal de Leiria
Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Tribunal de Leiria
Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Uma advogada da Marinha Grande está a ser julgada no Tribunal de Leiria pelos crimes de burla qualificada, atividade ilícita de receção de depósitos e outros fundos reembolsáveis e falsificação de documentos, num prejuízo de 5,5 milhões de euros.

Segundo a acusação a que a agência Lusa teve acesso, a advogada e o representante de uma sociedade 'offshore' com sede no Panamá são arguidos no processo, que foi desencadeado em 2016 numa operação da Polícia Judiciária.

Entre a 2007 e 2010, a partir da Marinha Grande, a sociedade, através do seu representante - que o tribunal não conseguiu ainda notificar - "dedicou-se à atividade de recebimento de depósitos, com a promessa de juros acima de mercado".

A advogada "atuava como angariadora de clientes" para a empresa e o seu representante "recebia toda a correspondência, disponibilizava o seu escritório, afiançava aos potenciais investidores a segurança no investimento, procedia à redação de documentos jurídicos, reconhecia assinaturas e até emitia cheques em nome próprio para garantia dos investidores", lê-se na acusação.

Em troca, a jurista recebia valores da empresa e diretamente dos alegados investidores, que "depositava na sua conta e posteriormente transferia para parte da sociedade arguida".

Entre agosto de 2007 e outubro de 2010, a arguida recebeu créditos no valor de 5,5 milhões de euros.

A acusação refere ainda que os arguidos contactaram várias pessoas, com a promessa de uma rentabilidade elevada, entregando a todas uma "confissão de dívida" em troca das verbas entregues.

Entre as alegadas vítimas está um administrador de insolvência, que entregou valores referentes à massa insolvente de duas empresas que representava, acreditando que "traria vantagens" para estas.

Quando este administrador de insolvência solicitou a restituição do capital e juros, a arguida "respondeu que teria de aguardar porquanto existia auditoria e o dinheiro vinha do estrangeiro".

Acordaram uma data para a devolução, mas "nada foi devolvido até à presente data", refere a acusação.
Ver comentários