Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Vocação redescoberta dá padre aos 73 anos

Quarenta e dois anos depois, a paróquia de Vila da Rua, Moimenta da Beira, recebeu uma ‘missa nova’ celebrada por um filho da terra. A eucaristia foi rezada por Hermínio Bernardo dos Santos que, aos 73 anos, inicia a carreira sacerdotal na mesma igreja onde recebeu os primeiros sacramentos e onde baptizou alguns dos seus filhos.
6 de Agosto de 2006 às 00:00
À chegada, o padre Hermínio confessou “algum nervosismo”, que considerou normal: “Quero mostrar, através das minha humildes palavras, o verdadeiro significado de ser padre: é um pastor, um orientador, que tem de rezar, todos os dias, por ele e pelo seu povo.”
O novo pároco regressou ao seminário de Lamego há quatro anos, quase meio século depois de ter de lá saído para se casar. Teve entretanto dez filhos e ao enviuvar, em 2001, redescobriu a vocação. O pároco local, Joaquim Rebelo, lembrou que não foi por acaso. “Entre a vontade, a decisão e a ordenação, houve uma caminhada penosa e difícil, traçada para gente jovem, mas que este homem encarou com fé muito forte e coragem inabalável.”
Para o bispo da diocese de Lamego, D. Jacinto Botelho, amigo de infância e conterrâneo de Hermínio dos Santos, esta foi “uma vocação provada, reflectida, muito rezada e uma prova de que o Senhor não escolhe idades”.
Segundo João Teixeira, reitor do Seminário de Lamego, “o momento representa a transfiguração do padre Hermínio, que nesta sua juventude foi chamado para trabalhar nas vinhas do Senhor”.
Na primeira missa celebrada pelo novo sacerdote estiveram também os seus amigos e familiares. A filha, Cristina Ribeiro, confessou estar a viver um dia “pleno de significado e com um misto de emoções”. Esta nova etapa do pai é encarada orgulhosamente, como “um corolário de um trabalho árduo e difícil”.
EMOÇÃO NO ALTAR E NA PLATEIA
A voz trémula e embargada eram o sinal evidente da emoção que o padre Hermínio sentia nesta primeira celebração. Os filhos e netos raramente conseguiam conter as lágrimas perante as palavras dirigidas pelo pai. Momento particularmente emotivo foi a lembrança da mulher, já falecida. “Este meu sacerdócio tem intervenção da minha querida esposa, o meu anjo da guarda, que soube viver com resignação o sofrimento da doença, nos seus últimos anos de vida”, referiu, comovido. Depois da ordenação, há uma semana, na Sé de Lamego, esta foi a primeira cerimónia pública presidida por Hermínio dos Santos. A sua vida foi marcada desde sempre pelos desafios. Aos 40 anos entrou na Universidade de Coimbra para estudar Direito, aos 68 regressou ao Seminário. Deu explicações de Matemática, deu aulas e teve cargos de chefia nos CTT. Outro grande desafio foi constituir família: dez filhos. A habitual boda oferecida pelo recém-ordenado realizou-se na Ponte do Abade, concelho de Sernancelhe, a poucos quilómetros da sua terra natal.
Ver comentários