Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Alzheimer ataca 130 mil portugueses

Doença leva o indivíduo a perder a memória e a linguagem.
Cristina Serra 19 de Dezembro de 2015 às 20:06
A doença de Alzheimer afeta sobretudo as  mulheres
A doença de Alzheimer afeta sobretudo as mulheres FOTO: DR
Cerca de 180 mil pessoas em Portugal sofrem de demências, das quais 130 mil têm a doença de Alzheimer. Esta doença neurodegenerativa é caracterizada pela perda das funções cognitivas do indivíduo, incluindo a linguagem e a memória, e tende a uma maior prevalência nos próximos anos, devido ao envelhecimento da população.

"Não há uma cura para a doença de Alzheimer. Sabe-se o que se passa de errado no cérebro de um doente, mas não se conhece ainda o que causa esta patologia degenerativa", explica ao CM Sofia Nunes de Oliveira, neurologista do Hospital da Luz (Lisboa) e médica da Consulta da Memória.

Segundo a especialista, os tratamentos disponíveis são "parcialmente eficazes" e não há medicamentos curativos. No entanto, a investigação clínica realizada a nível internacional é promissora e espera-se que, nos próximos anos, surjam medicamentos novos que possam tratar os doentes.

"Decorrem ensaios clínicos a nível internacional que nos dão expectativa de que irão surgir medicamentos mais eficazes. Uma vacina foi aprovada pelas autoridades de saúde nos Estados Unidos", refere a médica. Apesar de não ser possível evitar a doença de Alzheimer, é possível adiar o aparecimento dos primeiros sintomas, que ocorrem, por regra, a partir dos 65 anos.

Algumas medidas de prevenção passam por fazer exercício físico regular e manter a atividade intelectual mais ativa. Também ajuda a retardar o início dos sintomas fazer uma dieta mediterrânica, incluindo tomar café e ómega 3, uma substância que se encontra no peixe.
demência Alzheimer saúde Sofia Nunes de Oliveira Hospital da Luz Lisboa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)