Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Médicos sofrem de exaustão emocional

40% apresentam sintomas próprios da síndrome de ‘burnout. Ordem dos Médicos vai criar gabinete de apoio.
João Saramago e J.D. 25 de Maio de 2019 às 01:30
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
A exaustão emocional atinge dois terços dos médicos e um terço reconhece sofrer de uma acentuada diminuição da realização profissional. Um estudo da Ordem os Médicos (OM) avança ainda que cerca de 40% dos 9 mil médicos inquiridos demonstraram níveis elevados de despersonalização, que se caracteriza por atitudes e descrenças ou indiferença, sintomas que estão fortemente associados à síndrome de ‘burnout’.

Perante os "dados inquietantes" sobre o ‘burnout’, a OM vai avançar com a criação do Gabinete Nacional de Apoio ao Médico. Para o bastonário, Miguel Guimarães, o apoio às vítimas de exaustão no trabalho ou de agressão é "absolutamente necessário", adiantando que já tinha feito uma proposta junto do Ministério da Saúde.

"O Ministério não fez rigorosamente nada. Está-se nas tintas para o que está a acontecer aos profissionais de saúde", lamenta Miguel Guimarães. O gabinete será coordenado pelos médicos Nídia Zózimo, João Redondo e Dalila Veiga.

Junto da Ordem dos Médicos, o Sindicato Independente dos Médicos anunciou, entretanto, que vai suscitar procedimentos disciplinares para os médicos que façam as escalas do Serviço de Urgência e não tenham os elementos mínimos. O objetivo é a contratação de mais especialistas e reclamar condições de segurança clínica.

Protesto adiou mais de 300 cirurgias
A greve de 5 dias dos médicos anestesistas no Hospital Amadora-Sintra terminou ontem, com níveis de adesão próximos dos 100%, tendo adiado 320 cirurgias e 180 exames, referiu o secretário- -geral do Sindicato Independente dos Médicos, Roque da Cunha.

Porto de Mós reclama por mais médicos
Uma centena de moradores das 10 freguesias do concelho de Porto de Mós - incluindo de algumas que não têm problemas com falta de médico - juntaram-se ontem no centro de saúde da sede de concelho para reclamar por melhor cobertura médica do território, um problema que se arrasta há décadas. "Não pedimos um helicóptero para cada um, só queremos um médico para a União de Freguesias", disse Rosália Custódio, moradora.

SAIBA MAIS
980
casos de incidentes de violência contra profissionais de saúde foram registados no ano passado. 2018 foi, assim, o ano com um maior número de episódios notificados, divulgou a Direção-Geral da Saúde.

516 agressões físicas
Nos últimos 12 anos há a registar 4300 casos de violência em contexto clínico. A maior parte das situações (71%) é referente a situações de assédio moral. Em 17% dos episódios houve violência verbal e em 516 casos (12%) agressão física.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)