Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Hotelaria no Algarve com 60% de reservas canceladas devido à epidemia de coronavírus

Cancelamentos diretos implicam reservas para os próximos dois a três meses.
Lusa 9 de Março de 2020 às 14:04
Seis em cada dez hotéis na região algarvia já viram reservas canceladas devido aos receios provocados pelo coronavírus
Seis em cada dez hotéis na região algarvia já viram reservas canceladas devido aos receios provocados pelo coronavírus FOTO: Marisa Cardoso
O surto de coronavírus já levou ao cancelamento de 60% das reservas nos hotéis do Algarve para os próximos dois a três meses, disse esta segunda-feira à Lusa o presidente da principal associação do setor na região.

"Neste momento, o que sabemos e já podemos afirmar é que cerca de 60% dos hotéis tiveram cancelamentos diretos para os próximos dois a três meses e que 40% desses cancelamentos pediram reembolsos de dinheiro dos pagamentos já efetuados", quantificou Elidérico Viegas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) disse que estes valores estão a ser alvo de "levantamento em regime de permanência junto dos hotéis" e podem comprometer a atividade para a Páscoa e para a próxima época alta.

Nesse sentido, defendeu a necessidade de adotar medidas para atrair visitantes dos mercados nacional e espanhol, para compensar as perdas resultantes destes cancelamentos, nomeadamente, a "abolição de portagens" na Via do Infante (A22).

"Abolir as portagens na Via do Infante é uma forma de esbater as perdas resultantes dos cancelamentos diretos e potenciar o turismo de Espanha para cá, mas também o próprio mercado interno", referiu, lembrando que estes mercados podem chegar à região em transportes privados e sem o risco de contágio em voos ou aeroportos, na base dos cancelamentos já registados.

Segundo Elidérico Viegas, "ainda não houve nenhum caso" de contágio nos hotéis algarvios, no entanto, alertou que é necessário que as autoridades de saúde dotem os hotéis e empreendimentos de manuais com os procedimentos que devem adotar caso surja algum caso dentro das unidades de alojamento.

"O único problema que temos aqui é que as entidades oficiais e responsáveis desta área da saúde continuam sem dotar os hotéis e os alojamentos de manuais de procedimentos para saber como agir em casos suspeitos de infetados", criticou.

Esta informação "ainda não chegou e já devia ter chegado" e o "bom senso aconselhava" a que as entidades oficiais passassem informação e criassem linhas de apoio telefónico para turistas e para hotéis, para saberem "que procedimentos adotar".

A mesma fonte esclareceu que os "hotéis, embora não estejam obrigados a devolver o dinheiro, reembolsaram os clientes", realçando que "os eventos que estavam previstos para os próximos tempos foram todos ou cancelados ou transferidos para o final do ano", ou para depois do verão.

"Mais preocupante para nós, neste momento, é a diminuição das reservas para a época turística, ou seja, estamos numa situação em que as reservas estão a cair a pique, não por causa dos hotéis, mas pelo receio dos viajantes relativamente a contágios nas viagens de avião e aeroportos", argumentou.

Elidérico Viegas considerou que o surto provocado pelo novo coronavírus está a ter "um processo evolutivo que se altera a todas as horas", sendo necessário dar "mais força" ao turismo "quer interno, quer espanhol", devido" à proximidade até da Páscoa e ao receio de que as pessoas não viajem".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)