Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Professores reforçam contestação

Posições mais radicais previstas para o final do ano letivo.
29 de Janeiro de 2019 às 14:07
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa
Grupo Parlamentar do PS recebeu a Federação Nacional dos Professores Assembleia da República, Lisboa

Os professores reclamam o início das negociações com o governo para verem contado o tempo de serviço de nove anos, quatro meses e dois dias que esteve congelado.

A contestação tem subido de tom e esta manhã de terça-feira, no final de uma reunião com o grupo parlamentar do PS, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores deixou o aviso: "Não deixem isto para o final do ano letivo porque senão a radicalização natural das pessoas acaba por acontecer. Uma situação que será muito complicada para as escolas e para os alunos".

"Preocupa-nos que o grupo parlamentar do PS não esteja a fazer mais alguma coisa para que o governo resolva o problema rapidamente", referiu Mário Nogueira.

Sobre a data limite proposta pelos professores para o início das negociações, Mário Nogueira referiu que "com as eleições em maio, a partir de meados de abril será para esquecer. Eventualmente em março ou abril".

O dirigente sindical adiantou que está prevista "uma consulta aos professores sobre futuras ações de luta". "O que os professores decidirem que temos de fazer nós faremos", acrescentou.

A luta dos professores, dia após dia tem subido de tom. Decorre um abaixo assinado e está prevista uma manifestação com a participação da maior parte das estruturas sindicais.

Quarta-feira nova reunião terá lugar no Parlamento com o grupo parlamentar do PSD.

Parlamento PS secretário-geral da Federação Nacional de Professores Mário Nogueira PSD política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)