Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Reino Unido tira bebé a mãe portuguesa

Pais pedem ajuda monetária para custos do processo.
Cátia Carmo 7 de Abril de 2016 às 10:10
A portuguesa Iolanda Menino, fisiologista cardíaca emigrante em Southampton, Inglaterra, viu o filho, de dois meses, ser-lhe retirado pelos serviços sociais britânicos depois de o pai, Leonardo Edwards, de nacionalidade inglesa, não conseguir dizer o nome nem o sexo do bebé no hospital Princess Anne.

Tudo começou no dia 1 de fevereiro, quando Iolanda Menino deu à luz numa piscina insuflável montada em casa. A parteira foi contactada seis horas antes do parto, mas só chegou à residência dez minutos antes de a criança nascer. O atraso fez com que existissem dificuldades em remover a placenta. A portuguesa perdeu "dois litros de sangue durante o parto", segundo a história contada pelo casal no Facebook, e foi obrigada a ir até ao hospital Princess Anne , em Southampton.

Quando chegou ao hospital, Leonardo Edwards não soube dizer o nome nem o sexo do bebé. Três dias depois, a assistência médica foi a casa do casal, tratar da icterícia – coloração amarelada da pele e mucosas devido a um aumento de bilirrubina no sangue – do menino.

Depois destes episódios, as visitas das autoridades britânicas a casa do casal sucederam-se. O bebé acabou por ser retirado dos pais por considerarem que houve sinais de negligência.

Agora, os pais lutam para terem o filho de volta. Criaram a página de Facebook ‘Our Baby was Snatched by Social Services’ (‘O nosso bebé foi arrancado pelos serviços sociais’, em português), onde contam a história ao mundo, divulgam fotos do parto e pedem ajuda monetária para pagar custos relacionados com o processo, como por exemplo as viagens que têm de fazer.

Na página que criaram na plataforma GoFoundMe, para angariar dinheiro, já contam com a ajuda de 55 pessoas que, ao todo, doaram 1365 libras (1689 euros).

Portugueses em luta com autoridades
O caso de Iolanda Menino está longe de ser inédito em Inglaterra. Há dezenas de casos de portugueses a quem as autoridades ingleses retiraram os bebés. Um dos casos mais sonantes foi o da família Pedro, que em 2015 teve cinco filhos institucionalizados em Inglaterra. 

A prática da retirada de crianças aos pais, sobretudo a imigrantes no país, tem sido criticada por diversas instituições ao longo dos anos.
Reino Unido Iolanda Menino emigrante emigração Southampton Leonardo Edwards
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)