Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite

Transferência é feita para uma residência universitária.
Lusa 17 de Setembro de 2020 às 21:59
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
Utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora transferidos durante a noite
28 utentes e duas funcionárias do lar ilegal em Évora onde existe um surto de Covid-19, já com um morto, começam a ser transferidos esta quinta-feira à noite para uma residência universitária, disse o presidente do município.

A "transferência vai iniciar-se quinta-feira à noite", numa operação que deverá demorar "três ou quatro horas", indicou o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, em declarações à agência Lusa.

O autarca assinalou que, além dos 28 utentes que se encontram no lar, vão ser transferidas para a residência universitária duas funcionárias da instituição, as quais "não têm condições de isolamento na sua casa".

Segundo o presidente do município, a transferência vai ser feita pelos bombeiros e concretiza-se após a avaliação das autoridades de saúde "ao momento" da operação.

Pinto de Sá notou que foram feitas "análises e exames de precaução" na residência da Universidade de Évora e que foi detetada a bactéria 'legionela', mas assinalou que "não foi por esse via" que a transferência se atrasou.

"Estivemos a aguardar a avaliação do estado de saúde dos utentes que foram ao hospital e a constituição da equipa" que vai prestar os cuidados aos utentes na residência universitária, vincou.

A equipa de cuidadores, referiu, é constituída por 16 profissionais e foi criada no âmbito de um protocolo estabelecido entre a Segurança Social e a Cruz Vermelha Portuguesa.

O presidente da Câmara de Évora adiantou que os testes à covid-19 realizados a pessoas de lares e estabelecimentos comerciais da cidade, onde existiam suspeitas de contágio, "deram negativo", o que constitui "uma boa notícia".

"Os casos ativos que estão a aparecer, e que ainda aparecerão mais alguns, decorrem das relações familiares e contactos direitos dos infetados do lar", sublinhou, realçando que "não existem contágio comunitário, apesar de o risco ser elevado".

Carlos Pinto de Sá precisou que estão agora dois utentes do lar internados no Hospital do Espírito Santo de Évora e uma outra pessoa da comunidade cuja infeção está relacionada com este surto.

Uma utente do Lar da Quinta da Sizuda infetada com covid-19 e que se encontrava internada no HESE morreu na noite de quarta-feira.

De acordo com informações da câmara e da Administração Regional de Saúde do Alentejo, há 52 pessoas diretamente atingidas por este surto da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

Destas, 39 dizem respeito ao lar, sendo 30 idosos e nove funcionários, enquanto os outros 13 casos são de pessoas da comunidade.

O primeiro caso de covid-19 detetado neste lar ilegal da cidade foi o de um idoso que foi transportado, há precisamente uma semana, para o HESE, onde fez o teste à doença, que deu positivo.

De acordo com o autarca de Évora, Carlos Pinto de Sá, o lar está ilegal por se localizar numa zona da cidade cujo plano de urbanização não permite este tipo de estruturas.

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Évora Carlos Pinto de Sá Covid-19 HESE saúde política autoridades locais doente serviço nacional de saúde
Ver comentários