Estado da Nação: Cortes e atrasos da DGArtes levam estruturas afetadas a adaptar-se

Por Lusa|11.07.18
  • partilhe
  • 0
  • +

Meses depois de anunciados os resultados finais do programa de apoio sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes), várias companhias que viram os seus financiamentos reduzidos ou excluídos dizem estar a adaptar as estruturas ou a reduzir as programações.

Para Jorge Silva Melo, diretor dos Artistas Unidos (AU), sediados em Lisboa, os atrasos nos subsídios e as indecisões da DGArtes fizeram de 2018 "a pior temporada teatral" que a companhia conhece.

"Perdemos técnicos a quem não conseguimos garantir salário -- estamos a trabalhar só com um técnico -, perdemos atores apalavrados a quem não conseguimos garantir datas de trabalho e vencimento, anulámos espetáculos, tivemos de fechar o Teatro da Politécnica em março-abril, e não chegámos a estrear uma peça de Pau Miró que queria dirigir, perdemos locais de apresentação de espetáculos no segundo semestre, pois muitos não conseguiram aguardar pela nossa confirmação e anularam a proposta de coprodução ou apresentação", sublinhou Jorge Silva Melo em declarações à agência Lusa.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!