Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

FRASES DO DEBATE

Frases ditas esta quinta-feira durante o debate sobre o estado da Nação na Assembleia da República, actualizadas ao longo da sessão:
3 de Julho de 2003 às 16:00
FRASES DO DEBATE
FRASES DO DEBATE
“Portugal volta a acreditar em si próprio” – Durão Barroso, primeiro-ministro
“Processo de reforma da Administração Pública, um absoluto imperativo nacional” – Durão Barroso, primeiro-ministro
“Este ano foi um ano de crescimento democrático” – Durão Barroso
“2004 será um ano de viragem; 2005 e 2006 serão anos de franco crescimento para a economia portuguesa” – Durão Barroso
“Quero hoje aqui garantir: em 2004, a lista de espera para cirurgias em hospitais vai terminar. Este é o nosso compromisso. É assim que se faz justiça social” – Durão Barroso
“Cumprir as obrigações fiscais (...) é um dever patriótico. Quem não paga os seus impostos a tempo e horas não é um bom português” – Durão Barroso
“Reformas de fundo, senhor primeiro-ministro, muita parra e pouca uva” - Ferro Rodrigues, secretário-geral do PS
“Daqui a um ano, como isto é ilusionismo, nada vamos ver” – Ferro Rodrigues
“Não conte connosco para sairmos das ruas da amargura para um beco sem saída” – Ferro Rodrigues
“A situação que nós temos é o resultados dos desequilíbrios macro-económicos que os senhores (socialistas) nos deixaram” – Durão Barroso
“Nos estamos do lado daqueles que acreditam que é possível vencer” – Durão Barroso
“V. Exa (Ferro Rodrigues) nem uma referência fez a uma alternativa à nossa política económica” – Durão Barroso
“O estado da oposição é bem pior que o estado da Nação” – Durão Barroso
“A debandada que se verificou no início só prova que a oposição não está verdadeiramente interessada no debate”, Telmo Correia, líder da bancada do CDS-PP
“Falta-nos uma oposição responsável” – Telmo Correia
“Quando todos pagarem o que devem ficamos em condições de baixar a carga fiscal já no próximo Orçamento de Estado” – Durão Barroso
“Ouvindo-o parece que estamos num país virtual, ou que regressámos à teoria do oásis” – Carlos Carvalhas, secretário-geral do PCP
“Há um ano, o senhor primeiro-ministro prometia-nos recuperação já neste primeiro semestre, agora fala de recuperação lá para o fim do ano, ou princípio do próximo” – Carlos Carvalhas
“É necessário colocar no ponto de mira não o Pacto de Estabilidade, mas o investimento público” – Carlos Carvalhas
“Senhor primeiro-ministro, cumpra as promessas, ou devolva a pipa (dada pela Casa do Douro)” – Carlos Carvalhas
“Não é com maior despesa pública que se vai, no futuro, conseguir condições melhores para os trabalhadores” – Durão Barroso
“Empresas fictícias devem desaparecer” – Durão Barroso
“Será que é demais pedir a empresas a operar no mercado que paguem 20 contos por trabalhador?” – Durão Barroso
“O governo provocou a baixa dos salários reais, das pensões e do poder de compra (...) Agravou-se a desigualdade social” – Luís Fazenda, deputado do Bloco de Esquerda
“Nós defendemos uma política económica alternativa, criando folga no Pacto de Estabilidade e Crescimento” – Luís Fazenda
“Senhor primeiro-ministro, o seu governo tem sido o governo da crise e do desemprego” – Luís Fazenda
“O Governo trata mal, muito mal, os portugueses” – Luís Fazenda
“Dou mais valor às opiniões do Banco de Portugal que às do Bloco de Esquerda” – Durão Barroso
“Entre o passado do pesadelo e o futuro do sonho sobra uma amarga realidade” - Isabel de Castro, deputada de Os Verdes
“O senhor primeiro-ministro conseguiu fazer um discurso de 35 minutos sem dizer uma palavra sobre uma questão central do desenvolvimento, que é o Ambiente” – Isabel de Castro
“Os senhores reformaram muito... no papel” – Ferro Rodrigues
“Não somos uma oposição de bota baixismo. Dizem para apresentarmos alternativas e quando apresentamos, chumbam-nas. É isto o vosso (o da maioria parlamentar) conceito de democracia” – Ferro Rodrigues
“Nesta legislatura não tem faltado uma oposição construtiva, o que tem faltado é uma maioria construtiva” – Ferro Rodrigues
“É altura de o Governo assumir, com humildade, que errou” – Ferro Rodrigues
“Nunca pensei assistir ao espectáculo de um governo que é ele próprio de rendimento mínimo” – Ferro Rodrigues
“Onde estão as armas de destruição maciça no Iraque de que o ministro Paulo Porta diz ter visto provas concretas?” – Ferro Rodrigues
“Por mais palmas que os senhores (da maioria) batam é Portugal que perde” – Ferro Rodrigues
“Precisamos de outra política. Investimento tem de ser a palavra fundamental” – Ferro Rodrigues
“Portugal merece melhor” – Ferro Rodrigues
“Sr. Ferro Rodrigues, pode não encarar a maioria neste debate, mas encare a realidade” – Paulo Portas, ministro de Estado e da Defesa
“Este é não apenas um governo com coragem de reforma, com coragem de decidir, mas é também um governo com consciência social” – Paulo Portas
Senhores deputados, terminamos este debate com a certeza de que estamos no bom caminho” – Paulo Portas
Ver comentários