Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

238 casas foram destruídas em Pampilhosa da Serra

Bombeiros "revoltados" por terem combatido fogo sozinhos.
Lusa 17 de Outubro de 2017 às 11:19
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra
Fogo em Pampilhosa da Serra

O incêndio que afetou Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, deixou cerca de 20 pessoas desalojadas e destruiu 238 habitações, havendo ainda uma mulher de 70 anos desaparecida, informou o presidente da Câmara.

O presidente do município da Pampilhosa da Serra, José Brito, disse à agência Lusa que há cerca de 20 pessoas desalojadas e que, segundo o último levantamento realizado pelo município, 238 habitações ficaram destruídas.

Segundo José Brito, a autarquia está a promover "alojamento" para as pessoas que perderam a sua casa, seja através da "colaboração de algumas entidades", seja através da cedência de instalações do próprio município para os casos de maior fragilidade, que estão a merecer o acompanhamento dos técnicos do município da ação social.

Para além dos desalojados, há várias casas que, "não tendo ardido, sofreram impactos fortes que põem em causa, em alguns casos, a sua estabilidade".

Do incêndio que afetou o concelho entre domingo e segunda-feira, resultou ainda "um ferido grave que está hospitalizado com queimaduras profundas e com alguma extensão", em Pescanseco, e uma mulher de 70 anos que continua dada como desaparecida, em Ribeira de Praçais, onde vivia numa casa isolada no meio de um vale.

"Neste momento, já estão no terreno o delegado de saúde, o GIPS [Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR] e bombeiros", informou.

O telhado da casa onde a mulher vivia colapsou e "é preciso remover tudo para verificar se a senhora terá sido vítima do incêndio", referiu.

O autarca sublinha que há "muitos prejuízos, muita floresta queimada, muitas máquinas agrícolas ardidas" e dezenas de cabeças de gado, principalmente cabras e ovelhas, que morreram com o fogo, para além de muitos outros animais que precisam rapidamente de alimento.

De acordo com José Brito, terão ardido cerca de dois terços dos 400 quilómetros quadrados de território do concelho nos três incêndios que afetaram Pampilhosa da Serra desde o fogo de Pedrógão Grande, em junho.

"O nosso concelho ficou praticamente dizimado", resumiu.

Questionado pela agência Lusa, o autarca frisou que o concelho pode voltar a sofrer aquilo que sofreu "em 2006" com as chuvas que surgiram após o incêndio de 2005.

"Os privados não vão cortar o material queimado. A maior parte do material vai ficar no terreno e depois vai tombar e vai ser arrastado para as vias, para os aquedutos e vai tudo entupir", sublinhou, recordando que em 2006 desapareceram bermas e taludes e parte de estradas ruíram, com as cheias.

"Estamos completamente isolados"
O presidente da Câmara de Pampilhosa da Serra, José Brito, sublinhou hoje que este concelho do distrito de Coimbra está "completamente isolado", estando esta manhã sem rede móvel ou fixa e sem eletricidade.

"Estamos completamente isolados e, mais uma vez, me revolto", disse à agência Lusa José Brito, que considera que "é uma vergonha nacional" o que foi feito em relação à rede de fibra ótica e critica a opção de não se utilizarem as calhas técnicas nas estradas nacionais.

A situação, assegura, já reportou no passado ao Governo e sublinha que já lhe tinha sido prometida "uma autoestrada virtual", já que não tem uma autoestrada física.

"Pôs-se [a fibra] na via aérea e já ardeu não sei quantas vezes. Se passasse pelas calhas técnicas (...), a vila nunca teria problemas", realçou, sublinhando que é necessário "pensar seriamente em utilizar as calhas técnicas" das estradas nacionais "para a fibra".

Hoje de manhã, não havia luz nem rede móvel ou fixa em toda a vila, juntando-se alguns carros no cimo da estrada que dá acesso à Pampilhosa da Serra para os habitantes fazerem chamadas.

Também durante o incêndio que fustigou o concelho no domingo e na segunda-feira, o posto de comando teve que se deslocar para "o alto da serra" para poder comunicar, realçou José Brito, que falava à agência Lusa na Câmara Municipal, onde também não havia eletricidade.

"Tivemos decisões em reunião e, para as implementar, temos que sair da Pampilhosa para podermos contactar com entidades e pessoas", notou.

Sem luz e sem internet ou rede, a parte administrativa da autarquia "está parada" e foi dada ordem ao pessoal da Câmara que estava livre para se apresentar "no gabinete de ação social", que está a coordenar os trabalhos no concelho, explanou o autarca.

Para além disso, face à dificuldade de comunicações, José Brito ainda não conseguiu contactar a Ascendi nem a Infraestruturas de Portugal, face a "algumas estradas nacionais que estão tapadas com árvores".

"Os nossos meios andam nas estradas municipais e são muitas. Se pudéssemos, limpávamos também as estradas nacionais, mas não temos meios", contou à Lusa o presidente da Câmara de Pampilhosa da Serra.

Bombeiros de Pampilhosa da Serra "revoltados" por terem combatido fogo sozinhos
O segundo comandante dos bombeiros de Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, afirmou esta terça-feira que a corporação sente-se revoltada por ter sido deixada sozinha a combater um fogo que afetou 60 localidades do concelho.

Catorze viaturas e 57 operacionais eram os meios da corporação local para combater um fogo "completamente desgovernado", que fustigou quase todo o concelho, disse à agência Lusa o segundo comandante dos bombeiros da Pampilhosa da Serra, José Almeida, que esteve a coordenar as operações de combate.

Em vez de 14 viaturas, se tivessem "30, 40 ou 50" seria possível "reforçar meios" e "abranger mais localidades, em termos de apoio" às habitações e pessoas, salientou.

"As pessoas precisam também de sentir a presença dos bombeiros. Embora tenhamos o sentimento de impotência, conseguimos proteger e evitar que o fogo se propagasse a mais habitações. E também precisávamos de apoio e retaguarda e isso revolta-nos. A mim, revolta-me", frisou o responsável, referindo que o sentimento de revolta é sentido por toda a corporação.

O reforço só chegou hoje às 02:00, de Viana do Castelo, quando ainda na segunda-feira a corporação tinha que lidar com quatro frentes - "uma de 600 metros, outra de um quilómetro, outra de 1,5 quilómetros e outra de dois quilómetros" -, destacou, explicando que tinha uma viatura para cada frente.

Para José Almeida, "se não fosse a ajuda de São Pedro ardia o resto do concelho".

A juntar-se à revolta da falta de apoio está a exaustão de bombeiros que dormiram apenas "duas ou três horas" e a impotência perante um fogo diferente.

"Foi tudo muito rápido. Em 2005, tivemos uma situação idêntica, mas o que ardeu em 2005 em quatro dias, ardeu este ano em dez ou 12 horas", sublinhou José Almeida, considerando que houve um sentimento de impotência perante as chamas avassaladoras.

"Não é atirar a toalha ao chão, mas é dizer: Porquê? O quê? O que é que eu faço? Qual é a estratégia? Não há. Não se consegue. É manter a cabeça fria e tentar salvar as pessoas. Era isso que pedia aos meus combatentes: era salvarmos as pessoas ao máximo", explanou o segundo comandante da corporação.

O presidente da Câmara, José Brito, que também já foi bombeiro corrobora.

"Nunca me lembro de ver um incêndio tão violento a dizimar uma área tão grande", contou, referindo que seria "suicídio meter-se à frente das chamas".

"Quem se metesse à frente das chamas morria", notou, salientando que os bombeiros, com escassos meios e apenas duas viaturas na vila quando as chamas chegaram à sede do concelho, "protegeram o mais importante".

Agora, sublinha, há que "ter força" para o concelho se levantar.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)