Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

Raquel Maria morre vítima de cancro

A actriz Raquel Maria, popularizada pela televisão, onde foi ‘a irmã’ de Camilo de Oliveira durante os 26 programas que durou a série ‘Aventuras de Camilo’, morreu ontem de madrugada, vítima de cancro.
27 de Julho de 2006 às 00:00
Raquel Maria morreu ontem aos 60 anos de idade e 40 de carreira
Raquel Maria morreu ontem aos 60 anos de idade e 40 de carreira FOTO: TV Guia
O corpo da actriz, de 60 anos, está desde ontem em câmara-ardente na Igreja da Santa Maria no Barreiro, de onde parte esta tarde (16h00) para o Cemitério local de Vila Chã.
Raquel Maria completaria em Setembro próximo 40 anos de carreira e, apesar de natural de Castro Verde (Baixo Alentejo) mantinha com o Barreiro uma estreita ligação ou não tivesse lá o seu palco de estreia.
Com efeito, a sua longa carreira arrancou no teatro amador, na Sociedade Recreativa 22 de Novembro, com uma peça de Ibsen (‘João Gabriel Borkmann’) que veio a revelar-se o seu passaporte para a profissionalização, na Cornucópia, a convite de Luís Miguel Cintra e Jorge Silva Melo.
“Era uma extraordinária actriz, cheia de energia e talento, além de que tinha uma especial apetência para a comédia, tendo alcançado grandes êxitos em peças como ‘E Não se Pode Exterminá-lo?’ (de Karl Valentin) ou ‘Não se Paga, Não se Paga’ (de Dario Fo)”, recorda Luís Miguel Sintra.
Integrada no elenco da Cornucópia fez também ‘A Páscoa’ de Strindberg, onde defendeu o drama com a mesma garra com que antes defendeu a comédia.
De 1973 a 1987, Raquel Maria manteve-se na Cornucópia, de onde só saiu para responder a novo desafio: o Teatro da Malaposta (da extinta associação Amascultura). Mas nem só de teatro se fez a vida e a obra de Raquel Maria. Da sua passagem pelo cinema ficam filmes como ‘A Vida é Bela’ (de Luís Galvão Teles, 1982) e ‘A Sombra dos Abutres’ (de Leonel Vieira, 1998).
Contudo, foi na TV que deixou imagem de marca, tendo participado em comédias como ‘Os Malucos do Riso’, ‘Bora Lá, Marina’ e ‘Aventuras de Camilo’.
Na intimidade, dedicava-se à pintura e à gravura, dizem, com o mesmo sucesso que lhe conhecemos da vida pública.
TESTEMUNHOS
"UMA BOA PARELHA" (Camilo de Oliveira, actor)
“Conheci a Raquel Maria na série ‘Aventuras de Camilo’ onde ela fez de minha irmã por todos os 26 episódios do programa. Foi sensacional. Fizemos uma boa parelha. Era uma grande actriz e impressionou-me, logo ali, pelo profissionalismo e pela humildade.”
"QUALIDADE DE PALCO" (Amélia Videira, actriz)
“Nunca contracenámos mas éramos amigas e acompanhávamos as respectivas carreiras: ela, na Cornucópia e eu, na Comuna... Depois, eu optei pelo Ensino, ela pela Televisão que dá muita visibilidade, mas não dá a qualidade de palco que ela merecia.”
"A MELHOR RECORDAÇÃO" (Vítor de Sousa, actor)
“Cruzámo-nos, pontualmente, em televisão, e guardo dela a melhor recordação como pessoa e como actriz... Nestas alturas só nos saem palavras feitas mas, sendo a grande actriz que era, a melhor maneira de a homenagear é homenageando a profissão.”
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)