"Não entendo silêncio da Igreja do Funchal"

Magistrado que acusou padre Frederico diz que alguém ajudou pároco a fugir.
Por Tânia Laranjo e Egídio Carreira|24.02.16
  • partilhe
  • 0
  • 5
Notícia exclusiva para assinantes. Para ler faça Login ou AssineSaiba mais aqui.
"Não entendo silêncio da Igreja do Funchal"
Padre Frederico Cunha (à esquerda) é acusado de homicídio. Marques Freitas é procurador do Ministério Público do Funchal Foto CMTV
Amargurado. É assim que Marques Freitas, procurador do Ministério Público no Funchal, diz ter reagido à entrevista do padre Frederico ao CM e à CMTV. O procurador que acusou o pároco de homicídio qualificado e atos homossexuais com adolescentes diz-se ainda chocado com o silêncio da Igreja. "Como é ...
Exclusivos CMEste artigo é exclusivo para Assinantes Correio da Manhã
Se já é Assinante, faça o seu loginouClique para ler TODOS OS EXCLUSIVOS CM de hoje.
Obtenha o seu código de acesso com uma simples chamada telefónica (0.60€ + IVA). Se já tem código, insira-o.
Assine agora o Correio da Manhã Digital
  • Assine Acesso integral ao Correio da Manhã ePaper (tal como é impresso em papel, veja exemplo)
  • AssineAcesso ilimitado a todo o site do Correio da Manhã.
  • AssineTodos os exclusivos, opinião e análise da edição em papel.
Saiba mais

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De jotafrutas24.02.16
    Agora ninguém foi, só neste País, se vê coisas destas.
2 Comentários
  • De tomar24.02.16
    Haja dinheiro. Quem se lembra da fuga de António Champallimaud? Foi ele e os guardas de avião para o Brasil. Ainda há quem diga que o dinheiro não dá felicidade. Pode não dar, mas ajuda muito..... até a fugir das cadeias.
    Responder
     
     -1
    !
  • De jotafrutas24.02.16
    Agora ninguém foi, só neste País, se vê coisas destas.
    Responder
     
     3
    !