Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais
8

Ativistas expõem propaganda pró-Rússia da China na Internet

Utilizadores online tentam combater notícias falsas sobre a guerra da Ucrânia.
Correio da Manhã 10 de Maio de 2022 às 13:23
Computador
Computador FOTO: Getty Images

Desde que a guerra da Ucrânia começou que vários meios de comunicação chineses têm manipulado notícias, de forma a criar um sentimento pró-Rússia na população, diz o The Guardian. São identificados vários "erros de tradução" que culpam os ucranianos de ataques que foram feitos pelo regime de Putin.

Contudo, as "tropas online" não têm ficado caladas com esta produção de desinformação que tem moldado a opinião pública chinesa. Deste modo, activistas online, como é o caso da conta do Twitter "Great Translation Movement", têm destacado os erros dos meios de comunicação, defendendo a verdade.

Um dos exemplos foi a publicação de um artigo do The Guardian, no passado mês de abril, que informava a forma como civis tinham sido mortos na invasão da cidade de Bucha, no entanto não foi essa a notícia que foi partilhada na China. Assim, a South Review, um órgão de comunicação subsidiário do Partido Comunista Chinês, traduziu incorrectamente o artigo, alegando que este ataque tinha sido feito pelos militares ucranianos. "O The UK Guardian publicou os primeiros achados post-mortem dos incidentes de Bucha: foram causados pelo bombardeamento da Ucrânia em Bucha", noticiou a South Review.

Estas falhas criaram controvérsia nas redes sociais chinesas, mesmo existindo uma forte monitorização do governo. Apesar da censura, continua a existir um debate aceso sobre a invasão russa, contudo as opiniões mais parecidas com o lado ocidental são frequentemente censuradas, alerta o The Guardian.

Os ativistas da internet têm-se esforçado por revelar, em inglês, a informação pró-Rússia que tem circulado na China, nomeadamente através do "Great Translation Movement". Em resposta, os meios de comunicação chineses tentarem descredibilizar este movimento, acusando-o de ser parte de uma "força anti-China" e com ideais anticomunistas.

Ver comentários