Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

"Água e sabão": Saiba como prevenir o cancro no pénis

Mais de mil indivíduos, todos os anos, têm de proceder à amputação do pénis de forma parcial ou total devido a tumores.
Correio da Manhã 24 de Novembro de 2021 às 19:14
Homem
Homem FOTO: Getty Images
O médico e diretor da Sociedade Brasileira de Urologia, Luiz Otávio Torres afirmou que "o único tumor que pode ser evitado com água e sabão é o que afeta o pénis". Saiba mais sobre o cancro do pénis, também conhecido por cancro peniano.

Dados da Sociedade Brasileira de Urologia apontam que todos os anos, mais de mil indivíduos têm de proceder à amputação do pénis de forma parcial ou total devido a tumores que não foram diagnosticados e tratados precocemente, segundo noticiou o BBC News.

Torres explicou que "quando o órgão sexual masculino não é lavado acumulam-se secreções e humidade, que causam infeções e feridas que, com o passar do tempo, podem evoluir para um tumor". O papilomavírus humano (HPV) é também outra das causas de cancro nessa região do corpo, adiantou o médico.

O especialista afirmou que "na hora de tomar banho, basta puxar o prepúcio e lavar com o mesmo sabonete usado no resto do corpo". Adiantou ainda que é importante secar bem o pénis com uma toalha, de modo a evitar infeções.

Puxar o prepúcio ao urinar e lavar o órgão sexual após a ejaculação é igualmente importante, dado que a acumulação de sémen na glande (a cabeça do pénis) ou na região genital pode causar infeções, lembrou Torres. O aparecimento de manchas avermelhadas, bolhas brancas ou feridas são também fatores a ter em atenção, acrescentou.

O diretor do Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica, em São Paulo, Gustavo Guimarães, explicou que o cancro do pénis representa cerca de 2% de todos os tumores que afetam os homens. 

Na Europa e na América do Norte a incidência deste tumor não passa os 0,6%, acrescentou Guimarães. O médico explica que este tipo tipo de tumor está intrinsecamente relacionado com a ausência de boas condições socioeconómicas.
Ver comentários