Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Irlanda prossegue com desconfinamento e reabre lojas e museus em meados de maio

Restrições já tinham sido parcialmente relaxadas em meados de abril.
Lusa 29 de Abril de 2021 às 19:43
Dublin, na Irlanda
Dublin, na Irlanda FOTO: Getty Images
O governo irlandês divulgou esta quinta-feira o próximo passo no plano de desconfinamento graças a uma melhoria da situação epidemiológica, autorizando a partir de meados de maio a reabertura de lojas não essenciais, museus e cabeleireiros.

Perante uma onda de contágios atribuída à variante da covid-19 identificada pela primeira vez no Reino Unido, este país de cinco milhões de habitantes confinou pela terceira vez depois do Natal.

As restrições já tinham sido parcialmente relaxadas em meados de abril, incluindo a permissão de reabertura de escolas, mas a maioria das medidas ficou em vigor.

"A boa notícia é que a nossa estratégia está a funcionar graças ao vosso trabalho árduo e sacrifícios", afirmou hoje o primeiro-ministro irlandês, Micheál Martin, argumentando que o país está agora "numa posição muito melhor".

A Irlanda vai continuar a "desconfinar em duas fases nos próximos dois meses", indicou o chefe do executivo, sendo que "a próxima fase começa no dia 10 de maio, com a restauração de toda uma série de liberdades muito importantes e apreciadas".

Nessa data, galerias, museus, bibliotecas e outras instituições culturais poderão reabrir portas, assim como cabeleireiros e serviços pessoais.

Os serviços religiosos podem ser retomados até um máximo de 50 pessoas, as lojas não essenciais também poderão reabrir, primeiro em modo "clicar e recolher" em 10 de maio, e depois totalmente em 17 de maio.

Os irlandeses também terão permissão para se encontrar no exterior em maior número, os vacinados poderão até ver membros de um a três outros domicílios, caso estejam vacinados.

A Irlanda, que de acordo com os últimos números regista 4.899 mortes associadas à covid-19, enfrentou as duas primeiras vagas da pandemia com um número relativamente baixo de mortes e casos.

Mas depois de as restrições de Natal serem atenuadas, o país viu uma subida acentuada no número de infeções, a ponto de ter a maior taxa de contágio do mundo no início de janeiro, segundo a Universidade de Oxford.

Agora que "quase 30% das pessoas com mais de 16 anos receberam pelo menos uma dose da vacina", o número de "mortes, hospitalizações e contaminações diminuiu em todo o país", segundo Martin.

Se a situação de saúde continuar sob controlo, a segunda fase de desconfinamento permitirá a reabertura de hotéis em 02 de junho, assim como ginásios, piscinas, esplanadas de restaurantes e bares em 07 de junho.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.152.646 mortos no mundo, resultantes de mais de 149,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ver comentários