Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Lula da Silva: “O Brasil é governado por um bando de malucos”

Ex-presidente garante que “dorme de consciência tranquila” e promete “desmascarar” o ex-juiz Sérgio Moro.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 28 de Abril de 2019 às 15:28
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Lula da Silva
Na primeira entrevista desde que foi preso por corrupção a sete de abril do ano passado, o ex-presidente brasileiro Lula da Silva afirmou não se arrepender de se ter entregado à polícia em vez de fugir, diz que dorme de consciência tranquila e garante estar obcecado em "desmascarar" o ex-juiz Sérgio Moro, que o condenou.

Sobre o momento atual, diz que o Brasil "está a ser governado por um bando de malucos", referindo-se às sucessivas confusões e ao extremismo do governo de Jair Bolsonaro.

"A elite brasileira devia fazer uma autocrítica depois da eleição de Bolsonaro. Vamos fazer uma autocrítica geral neste país. O que não pode é o Brasil ser governado por um bando de malucos que este país não merece e, sobretudo, o povo não merece", afirmou Lula, acrescentando que, ou Bolsonaro constrói um partido forte que o apoie, ou "não se sustentará" muito tempo no cargo.

A cumprir uma pena de 12 anos e um mês de prisão por ter recebido da construtora OAS um apartamento triplex como luvas, e condenado novamente em fevereiro a mais 12 anos e 11 meses por ter recebido da Odebrecht uma propriedade rural também como suborno, Lula, de 73 anos, diz não se preocupar com a possibilidade de ficar preso o resto da vida.

"Eu durmo todas as noites de consciência tranquila e tenho a certeza de que o procurador Deltan Dallagnol (chefe da Operação Lava Jato) e o ex-juiz Moro não dormem."

O ex-presidente garante ainda que vai dedicar o resto da vida a provar que é inocente e não se mostra impressionado com a possibilidade de poder cumprir o resto da pena em casa depois de a sua sentença inicial ter sido reduzida esta semana pelo Superior Tribunal de Justiça, uma vez que se trata de um benefício dado a culpados e ele deseja "sair da cadeia como inocente".

Pormenores
Dor pela morte do neto
Ao falar sobre o neto Arthur, falecido no mês passado, aos sete anos, na sequência de uma infeção, Lula chorou e garantiu que preferia mil vezes ter sido ele a morrer no lugar do menino, de quem era muito próximo, e cuja foto tem na mesinha ao lado da cama na sua cela.

Entrevista polémica
A entrevista, pedida em setembro passado pelos jornais ‘Folha de São Paulo’ e ‘El País’ (Espanha), em plena campanha para as presidenciais, foi na altura proibida pelo Supremo Tribunal, que esta semana voltou atrás e autorizou a sua realização.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)