Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Primeiro-ministro espanhol quer referendo sobre Estatuto Autonómico na Catalunha

Pedro Sánchez admite consulta popular, mas não sobre a autodeterminação.
Ricardo Ramos 4 de Setembro de 2018 às 12:31
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
Protesto pela ‘liberdade’ na Catalunha
O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, admitiu esta segunda-feira realizar um referendo na Catalunha, sobre o Estatuto de Autonomia e não sobre a autodeterminação da região, como exigem os independentistas.

"Queremos dialogar e resolver esta crise política. O ato final tem de ser uma votação", disse Sánchez em entrevista à Cadena Ser, deixando claro, no entanto, que uma eventual consulta não poderá versar sobre a independência, uma vez que tal é expressamente proibido pela Constituição.

"A Catalunha tem em vigor um Estatuto que não votou", lembrou, referindo-se às alterações impostas pelo Tribunal Constitucional ao Estatuto de Autonomia votado em 2006. Ou seja, ao contrário do antecessor Mariano Rajoy, o PM socialista admite negociar e levar a referendo um novo Estatuto com poderes autonómicos alargados, mas rejeita terminantemente qualquer mudança que coloque em causa a integridade territorial de Espanha.

Sobre as ameaças do governo catalão de retomar o ‘roteiro independentista’ traçado há um ano, Sánchez foi bem claro. "O Artigo 155 da Constituição é um instrumento perfeitamente legítimo para voltar a colocar a Catalunha no cumprimento da Constituição.

Por enquanto não se produziram as circunstâncias para termos de voltar a aplicá- -lo, mas se isso acontecer, o governo atuará".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)