Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8

Proteção falhou

Nunca um fogo em Portugal matou tanta gente.
Editorial CM 19 de Junho de 2017 às 00:45
Bolacha Editorial CM
Bolacha Editorial CM FOTO: Nuno Costa
Nunca um fogo em Portugal matou tanta gente. O pior que o País pode fazer é culpar uma coincidência nefasta de fatores, desde a trovoada seca às elevadas temperaturas e ausência de humidade, para explicar a tragédia, sem apurar com exatidão o que aconteceu e tirar consequências desses resultados. É preciso investigar com rigor o que se passou para aprendermos com os erros e evitar que este inferno se repita.

O trabalho de combate ao fogo por parte de bombeiros, GNR e outras forças tem sido heroico, mas o que falhou foi a prevenção. Ao contrário do que no calor dos acontecimentos disse o Presidente da República, não se fez o máximo do que poderia ser feito.

A maior parte das vítimas morreu numa estrada nacional. Uma via que liga vilas deste País. Se tudo tivesse funcionado, aquela estrada 236 teria sido encerrada antes da tragédia.

Também é inadmissível que haja uma total rutura nas ligações telefónicas.

E há o crónico problema do ordenamento florestal e da falta de limpeza da floresta. Se a mata estivesse limpa, com menos material combustível, e se houvesse corredores de proteção entre a estrada e a vegetação, a velocidade e a intensidade das chamas seriam certamente menores.

É fundamental que a investigação séria e exaustiva a esta tragédia seja célere e haja consequências ainda nesta época estival e não se aguarde como anteriormente pelas conclusões já em tempo de outono.n
editorial CM Pedrógão Grande
Ver comentários