Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Dirigente sindical da PSP acaba no hospital após greve de fome

Protesto de Peixoto Rodrigues em Belém interrompido após quatro dias.
João Carlos Rodrigues 17 de Março de 2019 às 10:13
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia transportado para hospital devido a greve de fome em frente ao Palácio de Belém
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Dirigente sindical da polícia inicia greve de fome
Após quatro dias em greve de fome à porta do Palácio de Belém, o presidente do Sindicato Unificado da PSP teve de ser transportado anteontem à noite para o hospital devido à "deterioração do seu estado de saúde".

Peixoto Rodrigues estava desde terça-feira em protesto na defesa dos profissionais da polícia, e para exigir garantias do Governo em resposta a várias reivindicações da classe.

Ao longo dos dias, o dirigente sindical foi apresentando "sinais de cansaço" e, na sexta-feira, ao final do dia, começou a sentir alguma fraqueza nas pernas, mas quis permanecer no local, explicou o presidente da Federação Nacional dos Sindicatos da Polícia (Fenpol), Pedro Magrinho.

"Ao longo da noite começou a ficar com bastantes dores de cabeça, muita sonolência e uma aparente descoordenação da fala. Isto criou alguns alertas perante os elementos que o acompanhavam no local e decidiu-se chamar o 112 para perceber se a sintomatologia estaria associada ao facto de ele não estar a ingerir alimentos sólidos", adiantou Magrinho.

O INEM deslocou-se ao local, tendo sido aconselhada a ida do manifestante a uma unidade hospitalar para fazer exames. Peixoto Rodrigues foi colocado numa ambulância. Após a sua ida para o hospital, os elementos que o acompanhavam decidiram "levantar todo o material para tentar desta forma que não continuasse a colocar a sua saúde em risco".

Peixoto Rodrigues teve alta durante a manhã de ontem e regressou a casa. Tem ordem para repouso absoluto durante uma semana.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)