Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Famílias avançam com ação cível

Tragédia no Meco foi há dois anos.
Ana Maria Ribeiro 15 de Dezembro de 2015 às 17:56
Fernanda Cristóvão (de preto na foto à direita), mãe de Catarina Soares
Fernanda Cristóvão (de preto na foto à direita), mãe de Catarina Soares FOTO: Carlos Santos / Lusa
O advogado das famílias dos seis jovens que morreram há dois anos na praia do Meco, em Sesimbra, pretende avançar com seis ações de responsabilidade civil – uma por cada vítima – contra o sobrevivente da tragédia (João Gouveia) e contra a Universidade Lusófona.

"Uma vez que não temos resposta da parte criminal, até ao final deste ano devemos avançar com a ação cível", justificou Vítor Parente Ribeiro, que ainda aguarda pelo recurso interposto para o Tribunal da Relação de Évora da decisão do Tribunal de Setúbal de arquivar o processo, após a fase de instrução.

O advogado acredita que foram recolhidos "indícios fortes" de que a morte dos seis jovens poderá ter ocorrido devido a um crime de exposição ou abandono. Entretanto, os familiares das vítimas, que morreram há dois anos, a 15 de dezembro de 2013, vão assinalar a data com uma missa e com a colocação de uma faixa com fotografias perto da Universidade Lusófona, em Lisboa.
famílias ação cível Meco tragédia Sesimbra João Gouveia Vítor Parente Ribeiro Lusófona
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)