Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Incêndio em casa mata moradora de 100 anos

Chamas deflagraram no quarto da idosa. Suspeitas apontam cobertor elétrico como causa.
Patrícia Lima Leitão 1 de Dezembro de 2018 às 11:00
Maria Júlia Casanova tinha 100 anos
Corpo da vítima a ser retirado da casa que ardeu na rua da Alegria
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Maria Júlia Casanova tinha 100 anos
Corpo da vítima a ser retirado da casa que ardeu na rua da Alegria
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Maria Júlia Casanova tinha 100 anos
Corpo da vítima a ser retirado da casa que ardeu na rua da Alegria
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Incêndio em prédio faz um morto na baixa do Porto
Maria Júlia Casanova, de 100 anos, morreu carbonizada num incêndio que deflagrou no quarto da casa onde morava sozinha já há décadas, na rua da Alegria, em plena Baixa do Porto, esta sexta-feira de manhã.

Foi vista pela última vez à janela, já as chamas tinham deflagrado. Dois homens, que se aperceberam que a idosa estava em apuros, ainda tentaram salvá-la, mas em vão.

Apesar da idade, Maria Júlia Casanova era autónoma e nunca quis deixar a habitação, que ocupava o 1º e o 2º andares do edifício e agora ficou sem condições de habitabilidade.

"Ao passar, vi o fumo intenso, a senhora à janela e percebi a aflição de um segurança que estava junto à entrada. Arrombei a primeira porta e tentei arrombar a segunda", referiu Óscar Silva, um dos homens que tentou salvar a vítima.

Não conseguiu aceder, porém, na habitação, pela falta de visibilidade causada pelo fumo: "O fogo começou a partir os vidros. Fui depois a uma boca de incêndio, peguei numa mangueira e tentámos apagar as chamas pela janela. A água não foi suficiente."

Os Sapadores do Porto chegaram pouco depois. "O combate impossibilitou que as chamas alastrassem aos andares superiores", afirmou Carlos Marques, comandante. Já nada foi possível fazer pela vítima. Não há risco de o prédio ruir e os edifícios contíguos não foram afetados.

A PJ investiga as causas, que poderão estar ligadas a um cobertor elétrico que a idosa usava para se aquecer. A rua esteve cortada ao trânsito.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)