Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Reviravolta no julgamento de Luís Grilo: Arma que matou triatleta não pertence a António Joaquim

Amante da viúva Rosa pede libertação imediata.
Tânia Laranjo 15 de Julho de 2019 às 21:19
A carregar o vídeo ...
Amante da viúva Rosa pede libertação imediata.

No Investigação CM desta segunda-feira contamos-lhe em exclusivo um dado novo que pode implicar uma autêntica reviravolta no julgamento de Luís Miguel Grilo.

A arma que matou o triatleta não é a arma de António Joaquim. Quem o garante é a defesa do ex-amante de Rosa que quer a libertação imediata do funcionário judicial. 

A análise ao projétil apreendido leva a defesa do amante de Rosa Grilo a garantir que a arma do funcionário judicial não é a arma do crime. Uma reviravolta no processo com consequências para já imprevisíveis

António Joaquim entrou com um pedido no tribunal à juíza para sair da cadeia. Diz que os factos agora mudaram, os novos elementos mostram que o disparo fatal não foi feito com a sua pistola.

Em causa está uma das impressões digitais do projétil. A bala que matou o triatleta é diferente das disparadas da arma do funcionário judicial.

Para a defesa de António Joaquim a prova é inequívoca e não deixa dúvidas. Se aquela não é a arma do crime não há mais nada que justifique a prisão preventiva.

Rosa Grilo continua a garantir que o amante nada sabia, enquanto a polícia judiciária também não recolheu provas que o coloquem no local do crime.

Falta explicar o ADN no cano da arma, mas a defesa do funcionário judicial admite que tenha sido contaminação da cadeia de provas.

 

 

 

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)