Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Menor portuguesa forçada a trabalhar em explorações agrícolas

Rede fez 30 vítimas e começa a ser julgada por tráfico humano.
Mário Freire 23 de Setembro de 2019 às 08:42
Exploração agrícola
Justiça
Tribunal
Exploração agrícola
Justiça
Tribunal
Exploração agrícola
Justiça
Tribunal
Seis homens e uma mulher, com idades entre os 24 e os 58 anos, começam esta segunda-feira a ser julgados no Tribunal de Coimbra por tráfico de pessoas para exploração laboral e detenção de arma proibida.

O Ministério Público (MP) diz que a rede privava as pessoas de liberdade.

Os crimes ocorreram durante seis anos e só terminaram no final do ano passado, quando a rede foi desmantelada. Segundo a acusação, os arguidos "enganavam cidadãos portugueses com promessas de emprego bem remunerado em Espanha".

O MP entende que "as pessoas eram levadas contra a sua vontade e, com recurso à força física, obrigadas a trabalhar em explorações agrícolas", onde permaneciam em cativeiro, sem qualquer tipo de condições sanitárias e sem receberem dinheiro.

A operação denominada LUSAR envolveu a Guardia Civil de Espanha e a Polícia Judiciária portuguesa coordenadas pela Eurojust.

Culminou em novembro do ano passado, com buscas domiciliárias e não domiciliárias, em Belmonte, Covilhã e Santa Comba Dão, e em Espanha, na zona de Segóvia, com recurso a mandados de detenção europeus e nacionais emitidos pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra.

Resultou na detenção de cinco portugueses, quatro em Espanha e um em território nacional. A operação permitiu identificar mais arguidos e cerca de 30 vítimas, entre os quais uma adolescente de 16 anos.

Parte das vítimas foram libertadas após a operação e depois de várias denúncias.
Coimbra Tribunal de Coimbra Espanha questões sociais crime lei e justiça polícia julgamentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)